Publicidade

Japão entra em recessão e perde o lugar de terceira maior economia do mundo

Economia do país asiático encolheu 0,4% entre outubro e dezembro de 2023

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A economia do Japão é agora a quarta maior do mundo, depois de ter contraído no último trimestre de 2023 e ter caído uma posição, ficando atrás da Alemanha.

PUBLICIDADE

O governo informou que a economia encolheu a uma taxa anual de 0,4% entre outubro e dezembro, de acordo com dados sobre o PIB real divulgados nesta quinta-feira, 15, embora tenha crescido 1,9% em todo o ano de 2023. A economia contraiu 2,9% entre julho e setembro. Dois trimestres consecutivos de contração são considerados um indicador de que a economia está em recessão técnica.

A economia do Japão foi a segunda maior do mundo até 2010, quando foi ultrapassada pela da China. O PIB nominal do Japão totalizou US$ 4,2 trilhões no ano passado, enquanto o da Alemanha foi de US$ 4,4 trilhões, ou US$ 4,5 trilhões, dependendo da conversão cambial.

Um iene japonês mais fraco foi um fator-chave na queda para o quarto lugar, uma vez que as comparações do PIB nominal são feitas em dólares. Mas a relativa fraqueza do Japão também reflete um declínio na sua população e um atraso na produtividade e na competitividade, dizem os economistas.

O produto interno bruto real é uma medida do valor dos produtos e serviços de uma nação. A taxa anual mede o que teria acontecido se a taxa trimestral durasse um ano.

O Japão foi historicamente apresentado como “um milagre econômico”, renascendo das cinzas da Segunda Guerra Mundial para se tornar a segunda maior economia depois dos EUA. Isso continuou durante as décadas de 1970 e 1980. Mas durante a maior parte dos últimos 30 anos, a economia cresceu apenas moderadamente por vezes, permanecendo principalmente na estagnação após o colapso da sua bolha financeira ter começado em 1990.

Japão perdeu o posto de terceira maior economia do mundo para a Alemanha.  Foto: Franck Robichon/EFE/EPA

Tanto a economia japonesa como a alemã são alimentadas por pequenas e médias empresas fortes com uma produtividade sólida.

Publicidade

Tal como o Japão entre as décadas de 1960 e 1980, durante a maior parte deste século, a Alemanha avançou, dominando os mercados globais de produtos de alta qualidade, como automóveis de luxo e maquinaria industrial, vendendo tanto ao resto do mundo que metade da sua economia dependia das exportações.

Mas a sua economia, uma das com pior desempenho mundial no ano passado, também contraiu no último trimestre, em 0,3%. A do Reino Unidoi também contraiu no final do ano passado. O Reino Unido informou na quinta-feira que a sua economia entrou em uma recessão técnica entre outubro e dezembro, encolhendo 0,3% em relação ao trimestre anterior. A queda trimestral seguiu uma queda de 0,1% no período de três meses anterior.

Envelhecimento, veículos elétricos, imigração

Sendo uma nação insular com relativamente poucos residentes estrangeiros, a população do Japão tem diminuído e a envelhecido há anos, enquanto a da Alemanha cresceu para quase 85 milhões, à medida que a imigração ajudou a compensar a baixa taxa de natalidade.

Os dados mais recentes refletem a realidade do enfraquecimento do Japão e provavelmente resultarão em uma menor presença do Japão no mundo, disse Tetsuji Okazaki, professor de economia na Universidade de Tóquio.

PUBLICIDADE

“Há vários anos, o Japão ostentava um poderoso setor automobilístico, por exemplo. Mas com o advento dos veículos elétricos, até essa vantagem fica abalada”, afirmou. Muitos fatores ainda não foram definidos, “mas quando olhamos para as próximas décadas, as perspectivas para o Japão são sombrias”.

A lacuna entre os países desenvolvidos e as nações emergentes está diminuindo, sendo provável que a Índia ultrapasse o Japão em termos de PIB nominal dentro de alguns anos.

Os EUA continuam a ser a maior economia do mundo de longe, com um PIB de US$ 27,94 trilhões em 2023, enquanto o da China foi de US$ 17,5 trilhões. O da Índia é de cerca de US$ 3,7 trilhões, mas cresce a uma taxa escaldante de cerca de 7%.

Publicidade

A imigração é uma opção para resolver o problema da escassez de mão-de-obra no Japão, mas o país tem sido relativamente reticente à mão-de-obra estrangeira, exceto para estadias temporárias, gerando críticas sobre a discriminação e a falta de diversidade.

A robótica, outra opção, está gradualmente sendo implantada, mas não ao ponto de poder compensar totalmente a falta de trabalhadores.

Outro fator-chave por trás do crescimento lento do Japão é a estagnação dos salários, que deixou as famílias relutantes em gastar. Ao mesmo tempo, as empresas têm investido fortemente em economias estrangeiras de crescimento mais rápido, em vez de no mercado interno envelhecido e em contração.

O consumo privado caiu durante três trimestres consecutivos no ano passado e “o crescimento deverá permanecer lento neste ano, uma vez que a taxa de poupança das famílias se tornou negativa”, diz Marcel Thieliant, da Capital Economics. “Nossa previsão é que o crescimento do PIB desacelere de 1,9% em 2023 para cerca de 0,5% neste ano.” / AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.