Publicidade

The Economist: É um pássaro, é um avião... é um carro voador chinês

País asiático está avançando mais rapidamente que seus concorrentes nessa área; várias empresas já têm certificado para iniciar produção em massa

Por The Economist

Em seu discurso sobre o estado da nação no início deste ano, o primeiro-ministro da China, Li Qiang, falou sobre a promoção de novos mecanismos de crescimento econômico. Em particular, ele mencionou “a economia de baixa altitude”. A frase evoca imagens de carros voadores, o que pode parecer ficção científica para alguns. Mas, nessa área, a China está avançando mais rapidamente do que a maioria dos países. Os fabricantes de carros voadores, ou veículos elétricos de decolagem e aterrissagem vertical (evtol), têm recebido sinal verde do governo.

PUBLICIDADE

Os veículos geralmente se parecem com drones muito grandes. Alguns são projetados para serem autônomos, o que significa que nenhum piloto é necessário. Um modelo, o eh216-s fabricado pela EHang, uma empresa da província de Guangdong, recebeu um “certificado de produção” em abril pela Administração de Aviação Civil da China (Caac). Isso permite que a empresa inicie a produção em massa. O eh216-s é o primeiro carro voador a receber essa aprovação regulatória em todo o mundo.

A EHang tem concorrência na China. Um evtol da AutoFlight, uma empresa sediada em Xangai, também obteve um “certificado de tipo” em março, o que significa que a empresa teve a aprovação de seu projeto para a aeronavegabilidade. Um modelo da XPeng, também sediada em Guangdong, está passando pela certificação de tipo. A Vertaxi, com seu evtol, fez seu voo inaugural em outubro.

A concorrência estrangeira também existe. Mas a China é responsável por 50% dos modelos de evtol do mundo, muito mais do que os Estados Unidos (18%) ou a Alemanha (8%), de acordo com o banco China Merchants Securities.

Um modelo da XPeng está em processo de certificação de tipo Foto: xPeng/Divulgação

A China tem duas grandes vantagens. A primeira é a vantagem do país em termos de tecnologia de veículos elétricos, alguns dos quais podem ser transferidos do tipo de condução para o tipo de voo. As baterias são especialmente importantes. As dos evtols devem ser leves e de alta capacidade. A China é o lar dos maiores fabricantes de baterias do mundo. A líder, a Catl, está lutando contra os desafios impostos pelos carros voadores.

A segunda vantagem é o entusiasmo do governo. Ele pretende estabelecer o que chama de “zonas de demonstração” da economia de baixa altitude em áreas como o delta do Rio das Pérolas e o delta do Yangtze até 2025. Não está totalmente claro o que essas zonas implicarão, mas a cidade de Shenzhen (no delta do Rio das Pérolas) planeja construir mais de 600 plataformas de decolagem e aterrissagem para aeronaves de baixa altitude até 2025, de acordo com a Xinhua, o serviço oficial de notícias do país.

Por enquanto, as empresas de evtol na China estão de olho em casos de uso de nicho, como turismo e serviços de emergência. A maioria dos pedidos recebidos pela EHang veio de empresas ou do governo. Mas, no futuro, a empresa espera oferecer viagens de táxi voador a um preço semelhante ao dos táxis em terra. O governo tem se mostrado encorajador. Enquanto os órgãos reguladores ocidentais estão adotando uma abordagem relativamente cautelosa em relação aos evtols, a China está voando na frente.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.