Os EUA parecem estar se livrando da ameaça de recessão. O que pode dar errado?

Os riscos que os economistas apontavam em 2023 não desapareceram, e os dados recentes, embora positivos, sugerem rachaduras abaixo da superfície

PUBLICIDADE

Por Ben Casselman
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Com a inflação em queda, o desemprego em patamar baixo e o Federal Reserve sinalizando que em breve poderá começar a cortar as taxas de juros, os analistas estão cada vez mais otimistas quanto à possibilidade de a economia dos EUA evitar uma recessão.

PUBLICIDADE

Na semana passada, o Wells Fargo se tornou o mais recente grande banco a prever que a economia conseguirá um pouso suave, desacelerando suavemente em vez de parar bruscamente. Os economistas do banco vinham prevendo uma recessão desde meados de 2022.

No entanto, se os analistas estavam errados quando previram uma recessão no ano passado, eles podem estar errados novamente, desta vez na direção oposta. Os riscos que os economistas destacaram em 2023 não desapareceram, e os dados recentes, embora ainda sejam em sua maioria positivos, sugerem rachaduras abaixo da superfície.

De fato, no mesmo dia em que o Wells Fargo recuou de sua previsão de recessão, seus economistas também publicaram um relatório apontando sinais de fraqueza no mercado de trabalho. Eles observaram que as contratações diminuíram, e apenas alguns setores são responsáveis por grande parte dos ganhos recentes de emprego. As demissões continuam baixas, mas os trabalhadores que perdem o emprego estão tendo mais dificuldade para encontrar um novo.

Os consumidores são o último pilar que sustenta a recuperação, segundo economista  Foto: Maansi Srivastava/The New York Times

“Ainda não estamos fora de perigo”, disse Sarah House, autora do relatório. “Ainda achamos que o risco de recessão é elevado.”

Se houver uma recessão, os economistas dizem que há três maneiras principais de isso acontecer:

1. A desaceleração retardada

O principal motivo pelo qual os economistas previram uma recessão no ano passado é que eles esperavam que o Fed (o Banco Central americano) provocasse uma.

Publicidade

As autoridades do Fed passaram os últimos dois anos tentando controlar a inflação, aumentando as taxas de juros no ritmo mais rápido em décadas. O objetivo era conter a demanda apenas o suficiente para reduzir a inflação, mas não tanto que as empresas começassem a demitir em larga escala. A maioria dos analistas - incluindo muitos do banco central - achava que essa calibragem cuidadosa seria muito complicada e que, quando os consumidores e as empresas começassem a se retrair, uma recessão seria praticamente inevitável.

Ainda é possível que a análise deles estivesse correta e que apenas o momento estivesse errado. Leva tempo para que os efeitos das taxas de juros mais altas cheguem à economia, e há razões para que esse processo seja ainda mais lento do que o normal desta vez.

Taxas de hipotecas mais altas desaceleraram o mercado imobiliário  Foto: David Zalubowski/AP

Muitas empresas, por exemplo, refinanciaram suas dívidas durante o período de taxas de juros ultrabaixas, em 2020 e 2021; somente quando precisarem refinanciar novamente é que sentirão o impacto dos custos mais altos dos empréstimos. Muitas famílias puderam se livrar das taxas mais altas porque acumularam economias ou pagaram dívidas no início da pandemia.

No entanto, esses amortecedores estão se desgastando. As economias extras estão diminuindo ou já desapareceram, de acordo com a maioria das estimativas, e os empréstimos com cartão de crédito estão batendo recordes. As taxas de hipotecas mais altas desaceleraram o mercado imobiliário. Os pagamentos de empréstimos estudantis, interrompidos durante a pandemia, foram retomados. Os governos estaduais e municipais estão cortando seus orçamentos à medida que a ajuda federal se esgota e a receita tributária cai.

2. O retorno da inflação

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O maior motivo pelo qual os economistas se tornaram mais otimistas quanto à possibilidade de um pouso suave é o rápido arrefecimento da inflação. De acordo com alguns indicadores, a inflação agora está pouco acima da meta de longo prazo do Fed, de 2%; os preços de alguns bens físicos, como móveis e carros usados, estão, na verdade, caindo.

Se a inflação estiver sob controle, isso dá aos formuladores de políticas mais espaço de manobra, permitindo-lhes cortar as taxas de juros se o desemprego começar a aumentar, por exemplo. As autoridades do Fed já indicaram que esperam começar a cortar as taxas este ano para manter a recuperação nos trilhos.

Porém, se a inflação voltar a subir, os formuladores de políticas poderão se encontrar em uma situação difícil, incapazes de reduzir as taxas se a economia perder o ímpeto. Ou, pior, eles poderiam até mesmo ser forçados a considerar a possibilidade de aumentar as taxas novamente.

Publicidade

“Apesar da forte demanda, a inflação ainda está caindo”, disse Raghuram Rajan, economista da Booth School of Business da Universidade de Chicago, que ocupou cargos importantes no Fundo Monetário Internacional e no Reserve Bank of India. “A questão agora é: daqui para a frente, será que teremos a mesma sorte?”

A inflação caiu em 2023, em parte porque o lado da oferta da economia melhorou significativamente: As cadeias de suprimentos voltaram em grande parte ao normal após as interrupções causadas pela pandemia. A economia também recebeu um influxo de trabalhadores à medida que a imigração se recuperou e os americanos voltaram ao mercado de trabalho. Isso significa que as empresas puderam obter os materiais e a mão de obra necessários para atender à demanda sem aumentar tanto os preços.

3. A surpresa indesejada

A economia teve alguns golpes de sorte no ano passado. A fraca recuperação da China ajudou a manter os preços das commodities sob controle, o que contribuiu para a desaceleração da inflação nos EUA. O Congresso evitou uma paralisação do governo e resolveu um impasse sobre o teto da dívida com relativamente pouco drama. A eclosão da guerra no Oriente Médio teve apenas um efeito modesto sobre os preços globais do petróleo.

Mas não há garantia de que a sorte continuará em 2024. O avanço da guerra no Oriente Médio está interrompendo as rotas de navegação no Mar Vermelho. O Congresso americano enfrentará outro prazo para financiamento do governo em março, depois de aprovar uma lei provisória de gastos na semana passada. E novas ameaças podem surgir: uma cepa de coronavírus mais mortal, um conflito no Estreito de Taiwan, uma crise em algum ponto até então obscuro do sistema financeiro.

Qualquer uma dessas possibilidades poderia perturbar o equilíbrio que o Fed está tentando atingir, causando um aumento na inflação ou um colapso na demanda - ou ambos ao mesmo tempo.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.