PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Opinião|Tudo indica que 2024 será um ano dramático para a Argentina

Ser presidente do país no próximo ano será um dos trabalhos mais difíceis do mundo; conflito será travado não apenas no Congresso, mas também nas ruas

Foto do author Fabio Giambiagi

Hoje completo o conjunto de quatro artigos sobre as próximas eleições na Argentina. É evidente que o sucesso do novo governo vai naturalmente ser medido pelo que ocorrer com a taxa de inflação, uma vez que a taxa acumulada em 12 meses é da ordem de 140%.

PUBLICIDADE

Quais são as restrições? Por um lado, uma desinflação brusca precisa ser muito bem calibrada para não gerar brutais transferências de renda real no interior da sociedade. Por outro lado, o espaço para uma desinflação lenta é bastante limitado, realisticamente.

A redução gradual da inflação, no contexto regional, foi a estratégia eminentemente associada ao caso da Colômbia, país que nunca enfrentou uma hiperinflação e que foi bem-sucedido em trazer a inflação dos 20% originais para a faixa de 3% a 5%, no curso de alguns anos. Quando se começa com mais de 100% anuais, porém, o risco é altíssimo. A possibilidade de um programa sair completamente dos trilhos diante de imprevistos é enorme.

Ideia de que haverá sangue nas ruas já está instalada no imaginário da Argentina Foto: Agustin Marcarian/Reuters

Dessa análise derivam três conclusões. A primeira, que o governo terá de implementar uma política anti-inflacionária radical, para reduzir a taxa para níveis modestos, sob pena de a gestão fracassar.

A segunda, que isso demandará tempo, para que o governo possa se preparar e predispor a sociedade para a mudança, cuja base terá de ser um forte ajuste fiscal.

Publicidade

E a terceira, que essa “aterrissagem forçada” da inflação dificilmente poderá prescindir de um componente não convencional de ataque à inércia dos preços, ligado à concepção de planos como o argentino Austral, de 1985, a convertibilidade com paridade dólar-peso, de 1991, ou o nosso Plano Real, de 1994, com a criatividade da Unidade Real de Valor (URV).

O elemento-chave, para qualquer tentativa de saída ordenada da crise, será obter o apoio político para dar sustentação aos passos a seguir. Como disse recentemente, com particular precisão, o jornalista Jorge Fernández Díaz, “sem consenso, não há mudança, mas sem conflito, também não”.

Antes das eleições, só há duas certezas: 1) ser presidente da Argentina em 2024 será um dos trabalhos mais difíceis do mundo; e 2) provavelmente, o conflito será travado não apenas no Congresso, mas também nas ruas. Com a agravante de que é possível que alguns grupos políticos procurem alguma morte para denunciar e exibir os “custos do ajuste criminoso”. A ideia de que haverá sangue nas ruas já está instalada no imaginário local. Será, tudo indica, um ano dramático.

Opinião por Fabio Giambiagi

Economista, formado pela FEA/UFRJ, com mestrado no Instituto de Economia Industrial da UFRJ

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.