PUBLICIDADE

Publicidade

ESG é visto como o maior risco para o setor de mineração e metais no Brasil, mostra pesquisa

Estudo da EY e IBRAM destaca os dez principais desafios que o setor deve superar para manter a relevância

Foto do author Beatriz  Capirazi
Por Beatriz Capirazi

O ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança corporativa) é considerado o maior “risco” e, ao mesmo tempo, a maior “oportunidade” para o setor de mineração e metais no Brasil, segundo um estudo da consultoria EY e do IBRAM (Instituto Brasileiro de Mineração).

PUBLICIDADE

Em seguida vêm os riscos e oportunidades ligados à geopolítica, mudanças climáticas, a licença para operar, custos e produtividade, interrupções na cadeia de suprimentos, força de trabalho, capital, digital e inovação e novos modelos de negócios.

Especialistas destacam que o setor, mesmo tendo passado por mudanças significativas nos últimos anos pressionado pelo poder público e pela indústria privada, ainda é tido como um dos mais poluentes — considerando os riscos referentes aos impactos da mudança climática, como enchentes, crises no sistema elétrico e falta de água potável.

Com isso, a ascensão da agenda ESG, que tem como uma das principais bandeiras o meio ambiente, se torna um risco para o setor, que tem de se adequar a diversas normativas para conseguir recursos de bancos e fundos de investimentos, segundo o doutor em economia dos recursos naturais e professor da Universidade de São Paulo (USP), Luis Enrique Sánchez.

“Se o setor precisa de recursos, tem de demonstrar que possui um sistema robusto de gestão ambiental. O setor financeiro tinha pouco conhecimento dos riscos da mineração e foi surpreendido com os dois grandes casos”, afirma, se referindo às tragédias de Brumadinho e Mariana.

Tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, aconteceu em janeiro de 2019. Foto: Wilton Junior/ Estadão

Para ele, a transição do setor tem relação direta com a ascensão do ESG. “A agenda e a legislação mais fortes pesaram para essa transição para uma economia sustentável, assim como o crescente interesse da própria sociedade aos riscos da mineração e uma atenção maior dos investidores.”

“Se o setor de mineração não for responsável, não vai ter licença para operar. As mudanças vêm não porque é um setor bonzinho, mas da necessidade pela pressão que a sociedade e os governos têm feito”, afirma o líder de energia e recursos naturais da EY, Afonso Sartorio.

Publicidade

Para o professor da Universidade de São Paulo (USP) houve avanços, de fato, mas a mineração continua a ser um setor poluente e que enfrentará muitas dificuldades. “Eu tenho o entendimento de que essa perspectiva não vem mudando e não vai mudar a curto prazo.”

Segundo ele, toda vez que há um novo projeto de mineração de médio e grande porte, as empresas têm dificuldade em avançar com o projeto e dialogar com as comunidades. “Eles encontram dificuldades que não ocorriam no passado. Está mais difícil e esse é um dos motivos para a valorização da agenda ESG.”

O especialista da EY destaca que, embora uma mudança para uma cadeia mais sustentável esteja acontecendo, as pessoas muitas vezes não percebem essa mudança por terem um “preconceito” com o setor. “Acho que as pessoas são mais céticas ao ouvir notícias da indústria de mineração. Em função de problemas, alguns graves, já ocorridos e que envolveram a mineração.”

Sartorio, no entanto, destaca que as comunidades próximas dos locais onde existe mineração querem o setor próximo. “Existe uma diferença do que o carioca da zona sul entende de mineração e a população vizinha. Gera trabalho e renda.”

PUBLICIDADE

“Não quer dizer que não existam situações de tensões, de risco, de barragem que tem que ser tratadas. A questão é que a mineração não fez o trabalho que o agro fez. Antes, era visto como o pessoal das queimadas, dos boias-frias, hoje é ‘pop’. A mineração não percorreu esse caminho.”

Para ele, falta esta mudança para que a sociedade enxergue a relevância do setor, considerado um dos setores mais influentes na economia brasileira, produzindo e comercializando para quase todo tipo de indústria no País. Em 2022, a mineração foi responsável por 40% do saldo brasileiro na balança comercial e o faturamento do setor no ano foi de R$ 250 bilhões.

ESG pode ser oportunidade para o setor

Especialistas apontam que a crescente busca por minerais produzidos de maneira mais limpa apresenta novas oportunidades de negócio, uma vez que os clientes estão dispostos a investir mais em tais produtos.

Publicidade

Sartorio afirma que a relevância do setor na cadeia produtiva brasileira leva o ESG a ser visto também como uma oportunidade para o setor. “As empresas mais estruturadas conseguem usar como uma oportunidade”, disse, destacando, no entanto, que no contexto ambiental que o Brasil se encontra, a adaptação do setor não é uma escolha, mas algo essencial.

Para o professor da USP, a sustentabilidade pode ser uma boa oportunidade para o setor, considerando o crescimento da demanda prospectado por várias entidades. “O setor de mineração está muito ligado nas projeções de um aumento da demanda de bens minerais por conta da descarbonização e transição energética.”

No entanto, o especialista da EY defende que estar em conformidade somente com a legislação e regulamentação referentes já não é suficiente em um ambiente que os consumidores esperam, segundo ele, um “valor compartilhado com real impacto positivo”.

“É sim ou sim. Precisa ser uma oportunidade, tanto para a humanidade, quanto para o próprio setor. A humanidade não vive sem a mineração. Se for um risco, como essas as milhões de pessoas vão conseguir ter garfo? Como os países pobres vão elevar o seu padrão se a mineração for uma atividade de risco?”, afirma.

Líder de energia e recursos naturais da EY, Afonso Sartorio. Foto: Duda Bairros/ EY

Assim como em outros setores, Sartorio destaca que uma modificação efetiva leva tempo, principalmente para haver mudanças de maquinário e práticas específicas — que dependem de uma transformação de todas as empresas, inclusive dos fornecedores.

Para ele, no entanto, a mudança já está acontecendo. Sartorio destaca que as principais apostas do setor têm sido investir na redução de carbono e na reciclagem de produtos. Outra tendência sustentável que deve se consolidar no mercado é o rastreio da pegada de carbono nas empresas de varejo, forçando uma mudança também no setor de mineração.

“As empresas de consumo vão ser pressionadas a rastrear os seus produtos até a origem, da onde ele saiu, qual o solo, como ele foi processado, quanto emitiu de carbono. As empresas que tiverem soluções inovadoras que atenderem a essa direção e consigam rastrear as suas cadeias vão ter uma vantagem competitiva enorme.”

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.