PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Ex-presidente do BC e sócio da Rio Bravo Investimentos

Opinião|Regina Duarte

O presidente precisa ser de todos os brasileiros e, se for assim, a economia vai responder

Atualização:

Acontece com muitos economistas, não há nada especial comigo, os amigos perguntam direto: – O que é preciso para fazer a economia decolar?

De tanto ouvir a mesma pergunta, tão importante, afligindo tanta gente, e na impossibilidade de conseguir a atenção de quem pergunta para a dissertação necessária para a resposta, bolei uma resposta simples e enigmática:

Regina Duarte!

PUBLICIDADE

Não, não é para substituir o ministro Paulo Guedes, que andou enfrentando uns solavancos na semana que passou. Mas é para contar uma história.

Começa com uma pergunta difícil: “Como conciliar a enorme e generalizada demanda por otimismo na economia com a imensa contrariedade política que o próprio presidente parece empenhado em cultivar?”

Publicidade

Bem, o presidente reconhece a importância dos imperativos da economia, que funcionam mais ou menos como a meteorologia para o tráfego aéreo. Não dá para desafiar, mas depende do presidente. Alguns são muito afoitos, mas, em geral, todos sabem fazer política, cada qual no seu estilo.

Há dois registros a fazer sobre este presidente.

O primeiro é a adesão à agenda liberal reformista, ainda que através de um casamento de conveniência com o superministro

Paulo Guedes, o símbolo dessa pauta, que não é a do coração do presidente. Não é amor sincero, o presidente não é um liberal, pouco importa o seu time do coração, mas já passamos a marca de um ano nesse matrimônio. Tudo indica que vai prosseguir, com tremores típicos desse tipo de união.

O segundo registro é de um teorema antigo: a experiência da presidência começa de verdade no dia em que o presidente precisa detonar um amigo. Ninguém escapa dessa situação, Bolsonaro a enfrentou com mais de um ano no cargo, no dia em que o secretário da Cultura fez uma performance grotesca, praticamente uma autoimolação, e a surpresa não foi atirar o amigo fora do barco – ele praticamente pulou na direção dos tubarões –, mas em se recrutar Regina Duarte para esse lugar.

Publicidade

Seria excessivo dizer que o presidente, com Regina Duarte, pacificou a Cultura, talvez isso não seja possível nem com a Virgem Maria. Mas não há dúvida de que a atmosfera ficou mais leve.

Até este momento, o presidente resolvia crises recorrendo a seus apoios eleitorais primais, sempre radicalizando, como se já estivesse em campanha. Mas ainda falta muito. O presidente não é só para seus apoiadores incondicionais.

Com o episódio Regina Duarte, todavia, a receita mudou.

Talvez não seja mesmo factível trabalhar apenas com ministros de perfil moderado, modelo Regina Duarte, pois o grupo de tendências aglutinadas em torno do presidente, e importantes para a sua vitória eleitoral, inclui alguns tipos bem difíceis.

Não é um problema deste governo apenas. O petismo, por exemplo, sempre cultivou uns grupelhos bem radicais, mas os manteve muito diluídos. Sempre dá para melhorar a mistura, sem que seja uma rendição aos adversários políticos ou ao Centrão.

Publicidade

É por aí que devemos caminhar, pois ele é o presidente eleito e, nesse tópico, estou com Fernando Gabeira: é preciso ser construtivo.

Bem, a pergunta foi sobre o que falta para a economia melhorar.

Repito a tese: – Regina Duarte.

A resposta mais técnica seria:

– A boa política.

Publicidade

A menos técnica:

– A economia precisa de sossego.

O presidente tem muitos ministros briguentos (ele mesmo não é diferente), que não ajudam, o da Educação está balançando, ele tem muita afinidade com o presidente, mas não dá para afrontar a meteorologia. Mas não se trata do que o presidente realmente é, ou genuinamente acredita e gosta, mas do que pratica diante de condições meteorológicas complexas. O presidente precisa ser de todos os brasileiros e, se for assim, a economia vai responder. *EX-PRESIDENTE DO BANCO CENTRAL E SÓCIO DA RIO BRAVO INVESTIMENTOS. ESCREVE NO ÚLTIMO DOMINGO DO MÊS 

Opinião por Gustavo Franco
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.