Publicidade

Publicidade

Publicidade

Reforma tributária: Haddad quer votar proposta até outubro e descarta CPMF e mudança no Simples

Ministro da Fazenda diz que a reforma será ‘neutra’ em termos de arrecadação e que não está nos planos do governo aumentar os impostos sobre o consumo

Foto do author Cicero Cotrim
Foto do author Eduardo Rodrigues
Por Cicero Cotrim (Broadcast) e Eduardo Rodrigues
Atualização:

SÃO PAULO E BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta segunda-feira, 13, que a perspectiva do governo é de que a proposta de reforma tributária seja votada entre junho e julho na Câmara e entre setembro e outubro no Senado.

PUBLICIDADE

Em evento organizado pelos jornais Valor Econômico e O Globo, Haddad disse que os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), tiveram compromisso com a transição de governo e terão “protagonismo essencial” no andamento da reforma tributária.

O ministro disse que o governo não pretende usar a reforma tributária para fazer mudanças no Simples e não trabalha com a ideia de recriar um imposto nos moldes da antiga CPMF. “Não está no nosso radar, nem no plano de governo do então candidato, o presidente Lula, nem nos planos da área econômica”, disse Haddad. “Falo em nome da Fazenda, Planejamento, MDIC. Não está na mesa de ninguém essa possibilidade.”

Haddad garantiu que a reforma será neutra em termos de arrecadação. Segundo o ministro, não está nos planos do governo aumentar os impostos sobre o consumo, já considerado elevado no País. Ele defendeu que o governo deverá pensar uma “mudança da cesta de tributos” no médio e longo prazo.

O ministro acrescentou que o governo está se reunindo com diversos setores para apresentar a proposta. Ele relatou que tem procurado líderes partidários e empresários para dialogar sobre a proposta. “Nós somos negociadores”, disse.

Haddad diz que reforma tributária é importante para buscar crescimento com compromisso social e proteger o País de choques externos Foto: Adriano Machado/Reuters

Segundo Haddad, a reforma tributária é importante para buscar crescimento com compromisso social e proteger o País de choques externos. O ministro disse ainda que será importante avançar depois na proposta de reforma tributária sobre a renda, após a primeira etapa, que trata dos impostos sobre o consumo.

O ministro reforçou que o programa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva prevê a taxação de lucros e dividendos. “E tem uma boa parte do empresariado que defende isso, desde que tenha compensações, uma série de coisas que precisam ser analisadas”, afirmou.

Publicidade

Haddad lembrou ainda que a proposta trabalha com a criação de um fundo de desenvolvimento regional e defendeu o imposto cobrado no destino. “Essa agenda está no radar. Mas, de novo: a reforma tributária é uma porção de chavinhas que você está mexendo. Se você só olhar para o que vai perder, e não olhar para o que vai ganhar, vai inviabilizar a reforma”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.