Haddad admitiu possibilidade de mudar meta fiscal, mas queria em 2024; leia bastidor

Ministros que integram junta orçamentária querem discutir revisão da meta fiscal até semana que vem

PUBLICIDADE

Foto do author Adriana Fernandes
Foto do author Mariana Carneiro
Por Adriana Fernandes e Mariana Carneiro
Atualização:

BRASÍLIA - A Junta de Execução Orçamentária (JEO) deve se reunir até a próxima semana para definir o melhor momento da mudança da meta fiscal e o novo valor.

PUBLICIDADE

A JEO é um colegiado que toma as decisões de política fiscal do governo e é formado pelos ministros Fernando Haddad (Fazenda), Casa Civil (Rui Costa), Simone Tebet (Planejamento e Orçamento) e Esther Dweck (Gestão).

A discussão da mudança da meta para o próximo ano acelerou diante da iminência do início da votação na Comissão Mista de Orçamento (CMO) da Lei de Diretrizes Orçamentárias, na qual está fixada a meta de zerar o déficit das contas públicas em 2024 e que serviu de base para a elaboração do Orçamento.

O governo conseguiu segurar o início da votação até agora na CMO. A promessa dos partidos do Centrão de colocar em votação a LDO fez com que o governo se movimentasse em torno dessa definição. A discussão gira em torno do valor da nova meta: se de um déficit de 0,25% do PIB ou ainda maior, de 0,5%.

O Estadão apurou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a informação de que os dados mais recentes da área econômica sobre o Orçamento de 2024 apontavam um buraco de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) nas contas do governo.

Lula foi avisado também que, antes de algum alívio no Orçamento, com o cenário atual, ele teria que enfrentar dois bloqueios de despesas no início do ano, o que obrigaria cortes em políticas públicas importantes e no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Justamente em ano de eleições municipais, quando o presidente quer evitar que o PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, avance sobre prefeituras pequenas em todo o Brasil.

O calendário de bloqueios preocupa também os aliados de Lula no Congresso, uma vez que retardaria a liberação de verbas em emendas parlamentares e poderia não chegar a tempo de irrigar os seus redutos eleitorais antes da eleição.

Publicidade

A partir de junho, repasses do governo federal a prefeituras é vedado pela lei eleitoral.

Ano que vem

Segundo apurou o Estadão, na semana passada, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu a manutenção da meta para o presidente, argumentando que precisava aprovar as medidas arrecadatórias e que o cenário internacional estava ruim.

Na reunião, no Palácio do Planalto, o ministro até admitiu a possibilidade de mudança, mas que fosse feita no ano que vem, com o objetivo de não atrapalhar o avanço das medidas de arrecadação no Congresso.

Em reunião, ministro até admitiu a possibilidade de mudança, mas que fosse feita no ano que vem, com o objetivo de não atrapalhar o avanço das medidas de arrecadação no Congresso. Foto: Wilton Junior/Estadão

O problema, segundo fontes ouvidas, é que a avaliação dominante na JEO é de que deixar para o ano que vem a mudança da meta seria o “o pior dos mundos”, pois aumentaria ainda mais o custo político para a revisão, com a pressão crescente de parlamentares contra os bloqueios e pela liberação rápida de emendas. Neste momento, portanto, seria menos custoso fazer a mudança.

PUBLICIDADE

Procurado, o Ministério da Fazenda não comentou.

Diante da resistência de Haddad, cresceu a desconfiança na Câmara e no Senado de que o ministro estaria trabalhando com a alternativa de iniciar 2024 sem o Orçamento aprovado, com o objetivo de não trazer a público o déficit esperado e ganhar tempo.

A mudança da meta preocupa parte do governo não apenas em razão da execução dos gastos em 2024, mas também em relação a 2025. Caso a meta não seja cumprida, o governo teria de arcar com um redutor de gastos a uma razão de 50% do crescimento das receitas, o que inviabilizaria o governo no meio do mandato, segundo aliados de Lula.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.