Publicidade

Imposto do pecado: ‘Oneração das exportações nos preocupa’, diz secretária de comércio exterior

Tatiana Prazeres, do MDIC, afirma que reforma tributária é ‘extremamente positiva’, mas diz que cobrança do imposto seletivo sobre minério e petróleo poderá onerar dois dos maiores itens da pauta exportadora

Foto do author Luiz Guilherme  Gerbelli
Foto do author Bianca Lima
Foto do author Anna Carolina Papp
Por Luiz Guilherme Gerbelli , Bianca Lima e Anna Carolina Papp
Atualização:

BRASÍLIA – A secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Tatiana Prazeres, afirmou que, apesar de a reforma tributária ser benéfica aos exportadores, ao reduzir custos e aumentar a competitividade, a cobrança do Imposto Seletivo sobre minério e petróleo “preocupa”, por estarem entre os principais itens da pauta exportadora do País.

PUBLICIDADE

O Imposto Seletivo, chamado de “imposto do pecado”, incidirá sobre itens considerados nocivos à saúde e ao meio ambiente, incluindo a extração de recursos naturais não renováveis. Pelo texto promulgado, a alíquota será de até 1% sobre o valor de mercado do produto extraído.

“A gente trabalha com o texto que foi aprovado no Congresso, mas temos algumas questões técnicas que se relacionam com o objetivo de garantir a competitividade exportadora do Brasil. Isso significa que a questão da oneração das exportações nos preocupa”, disse Tatiana ao Estadão.

Secretária Tatiana Prazeres afirma que reforma tributária é 'extremamente positiva' para o comércio exterior, mas cobrança sobre extração de produtos como minério e petróleo 'preocupa', por onerar as exportações. Foto: Washington Costa

Ela explica que a cobrança deve impactar a rentabilidade das exportações, já que os preços dos produtos são definidos no mercado internacional – ou seja, não é possível alterar o preço para acomodar esse tributo.

“O Brasil não é um país que tem tradição de imposto de exportação; foram casos muito pontuais ao longo da história. O ideal é que as exportações sejam completamente desoneradas”, diz.

Tatiana afirma que a secretaria está participando do grupo de trabalho da regulamentação da reforma para participar desse debate – que já vem movimentando os setores de mineração e petróleo, como mostrou o Estadão.

Peso na balança comercial

A cobrança do imposto seletivo é ponto de atenção porque petróleo e minério de ferro ocupam, respectivamente, o segundo e o terceiro lugares entre as maiores exportações do País, atrás apenas da soja.

Publicidade

O petróleo bruto deve ter exportação recorde em 2024 e rivalizar com a soja pelo topo da balança comercial. “A expectativa do aumento de produção de petróleo é algo que vai impactar positivamente as nossas exportações”, afirma Tatiana.

A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) projeta que, em 2024, as vendas de petróleo podem somar US$ 43,6 bilhões. Já a projeção para as exportações de minério de ferro é de US$ 31,5 bilhões.

Tatiana diz que, ao longo da regulamentação da reforma, a secretaria vai batalhar para garantir outros mecanismos que evitem que o produto brasileiro seja onerado, como a preservação do chamado “drawback” – que suspende a cobrança do imposto de importação de insumos para produtos que serão exportados. “É importante que a regulamentação garanta que isso possa prosperar”, diz.

A secretária frisa, no entanto, que, de maneira geral, a reforma tributária é “extremamente positiva” para o comércio exterior brasileiro.

“Quando a gente pensa em produtos de valor agregado, produtos industriais, o ganho da reforma sobre o ponto de vista de desoneração das exportações é evidente”, afirma. “Quanto mais longa a cadeia, maior o efeito positivo; porque, quanto maior a cadeia, maior é o efeito da cumulatividade que hoje marca o modelo tributário brasileiro.”

A reforma cria o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que tem como princípio a não cumulatividade plena, ou seja, acaba com a chamada “tributação em cascata”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.