Publicidade

Broche comprado por US$ 35 é leiloado por US$ 12 mil

Dona do broche percebeu o valor do item, feito em 1861 pelo artista e arquiteto William Burges, ao assistir o programa de TV ‘Antiques Roadshow’

Por Jenny Gross (The New York Times)

THE NEW YORK TIMES - Flora Steel, uma historiadora de arte, comprou um broche de prata há mais de três décadas em uma feira de antiguidades na região central da Inglaterra, por cerca de 20 libras, ou cerca de US$ 35 na época. Depois de usá-lo na lapela de um de seus casacos favoritos por vários anos, ela o guardou em um armário, onde permaneceu intocado por duas décadas.

Isso foi até o ano passado, quando Steel estava navegando pelo YouTube em seu telefone e se deparou com uma matéria da BBC de 2011 sobre um broche sendo apresentado no programa de televisão “Antiques Roadshow”. No clipe, o apresentador Geoffrey Munn mostrou uma página com esboços de outros broches desenhados pelo mesmo artista e arquiteto da era vitoriana. “Eu pensei: ‘céus, isso é meu!’”, disse Steel.

PUBLICIDADE

Munn disse no programa que sonhava em encontrar broches desenhados pelo artista, William Burges, chamando suas joias de “quase santo graal do design vitoriano do século XIX”.

Na terça-feira, 19, o broche de Steel foi vendido por 9.500 libras (cerca de US$ 12 mil) a um colecionador particular na casa de leilões Gildings Auctioneers, em Market Harborough, na Inglaterra. É feito de prata, lápis-lazúli, malaquita e coral rosa.

Broche desenhado por artista e arquiteto da era vitoriana William Burges, que foi leiloado.  Foto: Gildings Auctioneers via The New York Times

“Chamou minha atenção por seu design incrível – seu belo uso de pedras”, disse Steel, que coleciona joias de prata desde os 13 anos de idade.

Steel foi a terceira pessoa a vender um broche de William Burges em leilão pela Gildings; os outros dois também perceberam o valor de seus broches depois de assistir ao “Antiques Roadshow”. Um dos broches foi vendido por 31 mil libras em 2011 (cerca de US$ 50 mil na época).

Burges, mais conhecido por projetar o Castelo de Cardiff, no País de Gales, fez os broches para os casamentos de dois amigos em 1864, disse a Gildings, citando anotações nos esboços originais dos broches, que estão armazenados no Victoria and Albert Museum, em Londres. O broche de Steel, que tem uma estética gótica vitoriana, está inscrito com as iniciais “JCG”, as iniciais do reverendo John Gibson, um estudioso clérigo, e de Caroline Bendyshe, sobrinha-neta do almirante Lord Nelson.

Publicidade

Flora Steel com o broche que ela teve por mais de 30 anos, feito de prata, lápis-lazúli, malaquita e coral rosa.  Foto: Gildings Auctioneers via The New York Times

“Se essas páginas de esboços não tivessem sobrevivido, a associação com o artista teria sido completamente perdida nos anais da história”, disse Will Gilding, diretor da Gildings.

Steel, que é do Reino Unido, mas mora em Roma, disse que seu encanto ao descobrir que possuía um precioso broche perdido há muito tempo trouxe uma alegria muito necessária após dois anos de tratamento para câncer de mama.

Após um tratamento bem-sucedido, ela disse que planejava doar parte do dinheiro para um fundo de pesquisa sobre o câncer de mama e dar outra parte ao seu filho. Ela também estava contemplando reservar algum dinheiro para ela mesma, para uma viagem de cinco dias andando a cavalo pela Toscana, na Itália, e para uma visita à Ópera de San Carlo, em Nápoles, também na Itália.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.