Publicidade

Publicidade

Investimento da Oi em 4G será de R$ 1 bi até 2015

De acordo com o presidente da companhia, os fornecedores de equipamentos para sua rede serão definidos em outubro

Por Mariana Durão e da Agência Estado
Atualização:

RIO - O presidente da Oi, Francisco Valim, afirmou que a companhia está investindo R$ 1 bilhão na rede 4G até 2015. De acordo com o executivo, a operadora definirá em outubro os fornecedores de equipamentos para sua rede 4G.

PUBLICIDADE

A empresa ainda não tem o plano de serviços definido para a quarta geração. A previsão de lançamentos de aparelhos 4G no Brasil deve ocorrer até o fim do ano ou no início de 2013. Segundo ele, o Brasil está alinhado com o cronograma mundial de 4G. "Não estamos na fronteira do assunto, nem muito longe. Há uma evolução adequada da tecnologia e do estado brasileiro", disse.

A comercialização dos planos de telefonia 4G pela Oi deve começar logo após a assinatura da autorização para o uso da radiofrequência de 2,5 GHz, no próximo dia 16 de outubro. Valim explicou, no entanto, que a primeira fase deve ser voltada a um público mais restrito e com acesso a mini-modems. Isso porque a ampliação das vendas ao grande público depende da disponibilidade no mercado de aparelhos adaptados ao 4G, o que não é esperado antes de dezembro.

"Não haverá (logo) um anúncio na grande mídia porque não há previsão de termos aparelhos disponíveis antes do fim do ano", disse Valim. Segundo ele, a empresa espera que estejam disponíveis aparelhos de diversos fabricantes, mas o teste inicial de videoconferência 4G da Oi foi realizado em parceria com a Samsung, por meio do smartphone Samsung Galaxy SIII LTE.

O executivo lamentou o fato de o iPhone 5, recém lançado pela Apple, não estar adaptado à nova frequência brasileira. Segundo Rezende, com o lançamento do 4G as operadoras devem comercializar cada vez mais pacotes de volume de dados em detrimento de pacotes de velocidade, como acontece em outros países.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.