Publicidade

Lockdown chinês pressiona inflação e pode frear a economia global

Efeitos para o restante do mundo têm dois lados: o da dificuldade de entregar vendas feitas para a China e o de receber insumos para produção que são fabricados no país

Foto do author Luciana Dyniewicz
Foto do author Márcia De Chiara
Por Luciana Dyniewicz , Márcia De Chiara e
Atualização:

Se a China tropeça, o mundo todo sente o impacto. E a China está tropeçando. A política de tolerância zero contra a covid-19, com lockdowns espalhados pelo país, acenderam o alerta para a redução da atividade na segunda maior economia do mundo. Cidades completamente fechadas significam redução das importações e inviabilizam as exportações – sobretudo de bens industriais –, o que pode pressionar ainda mais a inflação e reduzir a atividade econômica em todo o mundo.

Apenas com o lockdown em Xangai, estima-se que a venda de carros na China tenha despencado 48% em abril, na comparação com igual período de 2021. A cidade é responsável por 3,8% do PIB chinês, mas tem o maior porto de contêineres do mundo. Em abril, a Apple informou que a situação na China pode lhe custar entre US$ 4 bilhões e US$ 8 bilhões em vendas perdidas.

Em Xangai, guia indica local de testes de covid; reforço de medidas sanitárias asfixia economia global Foto: Liu Jin/AFP

PUBLICIDADE

Diante do cenário, a Santander Asset reviu sua estimativa de PIB para a China de 5% para 4,6%. O Itaú Unibanco, de 5% para 4,7%. Somado aos impactos da guerra na Ucrânia e da alta dos juros nos EUA, a política chinesa contra a covid deve desacelerar a economia global para algo em torno de 3% (número considerado ruim para o PIB global).

“Pelo tamanho da China, se ela crescer 4,5% já tem um efeito ruim. Isso não seria tão problemático se não houvesse tanta dúvida em relação à alta dos juros nos EUA. Mas as duas locomotivas do mundo estão com questões que significam menos crescimento nos próximos 18 meses”, diz Eduardo Jarra, economista-chefe da Santander Asset.

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani diz que a pressão inflacionária da interrupção das cadeias de produção chinesas também pode levar o Fed (banco central dos EUA) a elevar mais rapidamente os juros, reforçando a desaceleração global. 

Crise atinge indústrias no Brasil e deve afetar inflação 

A desaceleração da economia chinesa, provocada em parte pela política de covid zero – com lockdowns extremamente rigorosos –, terá impacto também na economia brasileira. A dificuldade de importar produtos da China, principalmente insumos para a indústria, se reflete nos preços e deve contribuir para manter a inflação em alta.

Publicidade

Segundo o presidente executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, já há reflexos nos custos dos produtos vindos de fora. Em abril, os preços das importações, em dólares, subiram 34,4%, com recuo de 6,9% nas quantidades. Em março, os preços já tinham aumentado 29,5%, diz Castro. “O impacto desse lockdown na China é muito mais inflacionário”, diz.

Para o economista Lívio Ribeiro, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), a combinação dos novos lockdowns na China com estragos provocados pela guerra entre Ucrânia e Rússia deve levar a um mundo com inflação mais elevada por mais tempo. “Se antes a gente tinha dúvidas de que o processo de reorganização das cadeias produtivas se completaria este ano, hoje parece muito improvável que isso ocorra”, diz.

Atrasos de mercadorias

PUBLICIDADE

Em algumas empresas, o efeito do lockdown chinês já é sentido na pele. A Ecosan, fabricante de equipamentos para tratamento de efluentes domésticos e industriais, importa da China componentes como chapas de inox e produtos químicos para o tratamento de água e recuperação de efluentes. Normalmente, os bens levavam de 45 a 60 dias para chegar ao Brasil, prazo que passou a cem dias após a pandemia. Agora, com o novo lockdown, pode chegar a 120 dias.

“Com o recente lockdown, ficou ainda mais difícil manter as entregas para nossos clientes, além dos preços terem subido muito”, diz o presidente da empresa, André Ricardo Telles. Segundo ele, a Ecosan tem muitos itens à espera de embarque, o que tem levado a reprogramações constantes na linha de produção.

NaEcosan, tempo de entrega de importados passou de 45 para 100 dias Foto: Ecosan

Giuliano Spinelli Gera, diretor da PG4 Calçados, de Franca (SP), diz que, antes da pandemia, a empresa exportava para dois países mas, com os problemas logísticos desde o início da crise sanitária muitos países se votaram para o Brasil e hoje ele vende seus produtos para 19 países. O maior cliente são os Estados Unidos.

O problema, ressalta ele, é que faltam navios para enviar as cargas pois parte deles fica muito tempo detida em Xangai, e aviões também estão mais escassos. “Quase sempre ficamos numa fila de espera”, afirma Gera.

Publicidade

A PG4 exporta atualmente metade de sua produção, mas, se não fosse a escassez de transporte o volume seria maior. “Como o produto demora mais a chegar no destino, por causa dos atrasos dos embarques, perdemos tempo para recolocar novos pedidos”, diz o executivo.

Para Tarcisio Costa, vice-presidente de Gestão de Materiais da ZF América do Sul, as dificuldades não estão na produção dos itens que são comprados lá fora, “mas na cadeia logística que está bloqueada ou extremamente congestionada na região toda, uma vez que um dos principais portos da China está em Xangai”.

Já a indústria farmacêutica contabiliza um atraso de cerca de 20 dias na entrega de matérias-primas compradas da China, segundo Henrique Tada, presidente executivo da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac), que reúne mais de 50 empresas. “Neste momento, estamos com atraso na produção, mas ainda não há desabastecimento”, diz o executivo. A indústria farmacêutica nacional importa 90% das matérias-primas, e a China é hoje o principal fornecedor, seguido pela Índia.

Varejo

Os problemas de fornecimento também são vistos no comércio. As lojas da Rua 25 de Março, centro de comércio popular de São Paulo, começam a sentir a falta de alguns campeões de venda, como os carrinhos Hot Wheels, segundo Marcelo Mouawad, porta-voz da União dos Lojistas da 25 de Março e Adjacências (Univinco)

O empresário conta que os lojistas da 25 de Março estão se desdobrando para garantir as mercadorias. Segundo ele, o problema só não é ainda tão preocupante porque, neste momento, a demanda não está tão aquecida. Em suas contas, a demanda nas lojas da região ainda está cerca de 25% abaixo do período de pré-pandemia.

João Carlos Brega, presidente da Whirlpool América Latina (dona das marcas Brastemp e Consul), vai na mesma linha. Para ele, o problema dos lockdowns na China só não é maior porque a economia brasileira está muito desaquecida. “Já tivemos no passado mais problemas por falta de componentes”, diz. “No momento, não estamos tendo mais, porque o volume (de vendas) caiu no Brasil. Mas existem outros setores que estão sofrendo muito, como a indústria automobilística.”

Publicidade

Para ele, por conta de tudo que vem acontecendo no mundo, haverá uma diminuição da concentração dos fornecedores de insumos num só local, no médio e longo prazos.

Cenário global pode prejudicar Bolsonaro na eleição

A inflação alta no mundo, decorrente dos lockdowns da China e da guerra na Ucrânia, pode tirar votos do presidente Jair Bolsonaro, segundo o analista político Christopher Garman, diretor da consultoria Eurasia. “A China sozinha talvez não tenha um impacto tão grande. Mas temos de olhar para um conjunto de fatores que tende a exacerbar a inflação, o calcanhar de aquiles do governo.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.