EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Economista e ex-diretor de Política Monetária do Banco Central, Luís Eduardo Assis escreve quinzenalmente

Opinião|PIB sobe mesmo com taxas de juros escorchantes, mas é difícil prever quanto tempo isso poderá durar

Bola de cristal dos economistas mostra um crescimento do PIB em 2024 de cerca da metade do que teremos neste ano

PUBLICIDADE

Foto do author Luís Eduardo Assis

No começo do ano, os economistas apuraram a direção do vento, fizeram suas orações, jogaram os búzios e solenemente previram que o crescimento do PIB em 2023 não passaria de 0,9%. Hoje a previsão consensual é que o crescimento poderá alcançar 3%. Não é pouca diferença. Imaginando um deflator implícito de 5%, a diferença desse ajuste (que também atende pelo nome de erro) é da ordem de R$ 220 bilhões.

Afora uma provável má vontade – a mãe do pessimismo – com o governo recém-eleito, os economistas do mercado citavam a alta taxa Selic, a desaceleração global e a queda das commodities para sustentar suas aziagas previsões. De fato, os juros reais superaram 10% em junho de 2023, o nível mais alto desde maio de 2007. Temos ainda juros siderais. A economia global, sim, perdeu fôlego. A estimativa mais recente do FMI é de um crescimento de 3% em 2023, contra 3,5% no ano passado. As commodities estão caindo quase 10% no acumulado de 12 meses até setembro. E ainda assim a economia brasileira cresce muito mais que o esperado. Por que será?

Há, em primeiro lugar, o avanço da agropecuária. Ela, sozinha, tem diminuta participação direta no PIB e não carrega o piano, mas seu crescimento foi excepcional em 2023. Nos primeiros três meses, a expansão foi de 19% em relação ao mesmo período de 2022. No segundo trimestre, ela cresceu mais 17%. São números polpudos. Sem dessazonalização, o crescimento da agropecuária no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior foi nada menos que 138%, recorde da série histórica. As exportações, irmãs siamesas da agropecuária, também ajudaram a impulsionar a economia. O aumento do PIB das exportações foi de 7% no primeiro trimestre e saltou para 12% no segundo, sempre em comparação com o mesmo período de 2022. Mas o que bombou mesmo foi o impulso fiscal. Essa é a marca de 2023. O resultado primário do governo central até julho passou de um superávit de R$ 74,8 bilhões no ano passado para um déficit de R$ 73,7 bilhões agora. A PEC da Transição permitiu um gasto adicional de R$ 145 bilhões em 2023. Pelas contas da Instituição Fiscal Independente, o gasto com Bolsa Família deve subir de R$ 88 bilhões em 2022 para R$ 169 bilhões agora. Trata-se de um aumento real de mais de 500% em relação ao que foi gasto no último ano do segundo mandato de Lula da Silva.

Agropecuária registrou um crescimento foi excepcional em 2023 Foto: Tiago Queiroz / ESTADÃO CONTEÚDO

Assim, o PIB sobe mesmo com taxas de juros escorchantes. Não há mistério. O difícil é prever quanto tempo isso poderá durar. A bola de cristal dos economistas mostra forte redução do déficit em 2024 e um crescimento do PIB de cerca da metade do que teremos neste ano. Talvez errem novamente. A conferir.

Opinião por Luís Eduardo Assis

Economista. Autor de 'O Poder das Ideias Erradas' (Ed.Almedina). Foi diretor de Política Monetária do Banco Central e professor de Economia da PUC-SP e FGV-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.