Publicidade

Publicidade

Lula pede ousadia a ministros para combater a crise

Por Sergio Gobetti
Atualização:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ontem ?ousadia? do seu ministério para enfrentar a crise global e reverter a tendência de estagnação que começa a atingir todos os setores. ?Não podemos seguir o receituário que antes era apresentado pelos países que hoje estão em crise. Eles não têm nada a nos ensinar?, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega. ?O presidente falou em ousadia. Não é o momento de uma ação tímida?, relatou o ministro. De acordo com Mantega, o governo não vai seguir a ?rota da desaceleração?, como sugerido por alguns economistas que temem uma piora ainda maior da balança comercial se o País tentar remar contra a maré. O ministro fez uma crítica ao protecionismo, uma semana depois de o próprio governo tentar impor barreiras às importações, e tentou minimizar a má notícia do déficit da balança comercial alegando que ele reflete uma retração mundial do comércio entre os países. O ministro culpou os países desenvolvidos pelo agravamento e não resolução da crise financeira mundial. Segundo ele, a perspectiva para a economia mundial em 2009 é ruim, mas os países em desenvolvimento deverão crescer, em média, 3%. ?O Brasil reuniu condições melhores, um fôlego maior para atravessar essa crise de forma mais suave?, afirmou Mantega. O presidente Lula considerou, entretanto, ?insuficientes? as medidas adotadas até agora para aumentar o volume de crédito e baratear seu custo, segundo relato do ministro. ?O custo financeiro hoje é proibitivo?, afirmou. Ele garantiu que o spread e a taxa de juros ao tomador final de empréstimos cairão, apesar das resistências dos bancos privados. ?Tenho certeza que é possível reduzir o spread no Brasil. Os bancos públicos já estão reduzindo os juros, o Banco Central também já reduziu a taxa básica de juros e o BNDES recebeu recursos adicionais, que serão parcialmente repassados aos bancos privados?, afirmou Mantega. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.