Publicidade

Maior navio de cruzeiro do mundo, 5 vezes maior que o Titanic, faz retoques finais antes de estreia

Icon of the Seas tem capacidade para quase 10 mil pessoas; viagem de estreia está programada para o ano que vem

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Um estaleiro finlandês está dando os retoques finais no Icon of the Seas (“Ícone dos Mares”, em tradução livre), o maior navio de cruzeiro do mundo, antes de sua primeira viagem, em plena recuperação do setor após a pandemia da covid-19. A viagem de estreia está programada para janeiro do ano que vem.

Icon of the Seas, da Royal Caribbean International, deve ser o maior navio de cruzeiro do mundo,  Foto: Divulgação/Royal Caribbean International

PUBLICIDADE

Mais parecido com uma cidade pequena do que com um navio, o Icon of the Seas, comissionado pela Royal Caribbean, conta com vários parques aquáticos e mais de 20 decks. Cinco vezes maior que o Titanic, tem capacidade para quase 10 mil pessoas.

“Até onde sabemos, este é, hoje, o maior navio de cruzeiro do mundo”, disse Tim Meyer, CEO do estaleiro Meyer Turku, responsável por sua construção na costa sudoeste da Finlândia.

Enquanto alguns chamam a estrutura colossal de “monstruosidade”, citando sua enorme pegada climática, outros admiram sua engenharia sofisticada e correm para comprar ingressos. Uma particularidade do novo navio, cuja construção começou em 2021, é sua gigantesca cúpula de vidro que cobre a proa.

A indústria de cruzeiros está se recuperando após o duro golpe da pandemia da covid-19. De acordo com a Cruise Lines International Association (CLIA), o volume de passageiros ultrapassará, em 2023, os níveis pré-pandêmicos, chegando a 31,5 milhões de passageiros.

A Meyer Turku também tem dois outros navios de tamanho similar em sua carteira de pedidos. “Os navios de cruzeiro ficaram maiores na última década”, afirma Alexis Papathanassis, professor de gestão de cruzeiros na Universidade de Ciências Aplicadas em Bremerhaven, Alemanha.

Mais parecido com uma cidade pequena do que com um navio, o Icon of the Seas, comissionado pela Royal Caribbean, conta com vários parques aquáticos e mais de 20 decks Foto: Divulgação/Royal Caribbean International

Segundo ele, “há benefícios econômicos óbvios” para os grandes navios, pois reduzem o custo de cada passageiro, fazendo economias de escala.

Publicidade

Com suas sete piscinas, um parque, toboáguas, shoppings, uma pista de patinação no gelo e “mais lugares do que qualquer outro navio”, o “Icon of the Seas” também oferece mais lugares para se gastar dinheiro a bordo. Isso “permite, por sua vez, que as empresas de cruzeiros sejam mais lucrativas”, acrescentou.

O aumento do tamanho dos navios continuará, prevê Papathanassis, mas em um ritmo mais lento por causa do contexto econômico. “Quanto maiores os navios, maiores são os custos de investimento e o conhecimento tecnológico necessário. E o conhecimento tecnológico não é barato”, explica.

Questões climáticas

Do ponto de vista climático, alguns argumentam que a eficiência energética de um navio grande é mais importante do que a de vários navios pequenos. Mas essa opinião não é compartilhada por todos. “Se seguíssemos essa lógica, certamente construiríamos navios de cruzeiro maiores, mas em menor número”, argumenta Constance Dijkstra, especialista em navegação da ONG Transport & Environment (T&E).

PUBLICIDADE

Embora os navios modernos estejam tomando medidas para mitigar as emissões graças à tecnologia - o “Ícone dos Mares” funciona com gás natural liquefeito (GNL) -, os ambientalistas não estão convencidos. O GNL emite menos que os combustíveis marítimos tradicionais, mas “tem consequências dramáticas no clima, devido aos vazamentos de metano”, afirma Dijkstra.

Essencialmente composto de metano, o GNL é um potente gás de efeito estufa que pode ter um impacto muito pior no clima do que o dióxido de carbono. “O problema é que, ao usar o GNL como combustível marítimo, incentivamos o desenvolvimento da indústria do gás”, acrescentou Constance./AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.