Prédio de 219 metros da WTorre será o mais alto do segmento corporativo no País

Empreendimento na Chácara Santo Antônio, na zona sul da capital, terá um mirante aberto à visitação pública

Publicidade

PUBLICIDADE

Por Eliane Sobral
Atualização:
3 min de leitura

ESPECIAL PARA O ESTADAO - Um empreendimento da WTorre vai colocar no mapa da cidade de São Paulo a torre corporativa mais alta do Brasil, com 219 metros de altura distribuídos em 39 andares. Localizado em um terreno de 317,4 mil m² na Chácara Santo Antônio, área nobre na Zona Sul de São Paulo, o Complexo Multiúso Alto das Nações terá uma área construída de 59,4 mil m².

Cada andar tem 4,7 metros, quando o padrão do mercado varia entre 2,8 metros e 3 metros. “O maior desafio técnico desse empreendimento foi a programação da construção nessa estrutura, que tem quase o dobro de tamanho que estamos acostumados a ver”, afirma CEO da WTorre, Marco Aurélio Siqueira. O projeto rendeu à empresa o prêmio de Estruturação Imobiliária na categoria Profissional do Master Imobiliário.

Leia também

O edifício promete se transformar em um novo ponto turístico da cidade – assim como aconteceu com o Allianz Parque, a arena multiúso também assinada pela construtora. E não apenas pela sua altura. É que no topo será instalado um mirante aberto à visitação pública, de acordo com Siqueira.

No terreno, que pertence ao Grupo Carrefour, além de um hipermercado da marca francesa, haverá um centro de compras, uma torre mista residencial e comercial e outra apenas residencial, com 216 unidades de alto padrão. A área vai comportar ainda uma praça de 32 mil m².

Cada um dos 39 andares do edifício comercial terá pé direito de 4,7 m; o habitual são 2,8 m ou 3 m.  Foto: WTorre

“A praça será um equipamento de integração com o entorno e todo o empreendimento foi pensado para oferecer praticidade aliada à qualidade de vida para moradores e profissionais que vão trabalhar ali”, declara Siqueira. Segundo ele, o Complexo, que deve estar completamente concluído em julho de 2025, também é uma aposta da construtora de que a demanda por lajes corporativas não só tende a crescer, como a procura por empreendimentos com diferenciais técnicos e grande visibilidade será a tendência nos próximos anos.

“Boa parte do empreendimento já está comercializado, o que reforça nossa expectativa”, afirma o executivo.

Continua após a publicidade

Galpão logístico

Outro projeto da empresa, também foi contemplado como Master Imobiliário: um galpão logístico de 90 mil m², com capacidade de piso para seis toneladas por metro quadrado, pé direito de 12 metros, padrão triple A e certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Além de todos os aspectos técnicos, a agilidade da WTorre, que entregou o empreendimento WTLog RBR em apenas seis meses, foi o grande diferencial que rendeu à construtora o prêmio na categoria Agilidade e Qualidade.

Quando o empreendimento foi entregue, em 2021, o mundo enfrentava o auge da pandemia de covid-19 e o e-commerce alcançava níveis recordes de operações no Brasil e no mundo. Siqueira, lembra que o cliente era nada menos que um dos maiores players do mercado de comércio online no país, o Mercado Livre.

“Além das vendas (com entrega em domicílio) aquecidas por conta da pandemia, estávamos às vésperas da Black Friday. Neste cenário, a pressa era realmente um diferencial determinante”, afirma o executivo. São dois galpões, um de 90 mil m² e out ro de 30 mil m², com 226 docas de operação no modelo cross docking – sistema que permite a entrada e saída simultânea de mercadorias.

Siqueira agrega ainda outros dois pontos que considera fundamentais. Um deles é sustentabilidade, uma vez que o empreendimento foi projetado com fechamento lateral translúcido, o que aumenta o aproveitamento da luz solar e produzir isolamento térmico potencializando o uso eficiente de energia.

O outro fator de destaque é a localização do WTLog RBR que foi construído em Franco da Rocha, na Grande São Paulo. “O fundador da empresa, Walter Torre, previu o crescimento das complexidades logísticas em regiões já bastante exploradas, como Cajamar, e que Franco da Rocha era um corredor logístico muito interessante tanto para São Paulo, quando para Campinas”, diz.