Publicidade

Porsche, Audi, BMW: montadoras correm para lançar novos carros elétricos de carregamento rápido

Sete das dez maiores fabricantes de automóveis do mundo anunciaram modelos para o mercado de massa nos próximos anos

Por Ryan Fisher
Atualização:

BLOOMBERG - As montadoras estão lançando novas plataformas de veículos elétricos de 800 volts, que prometem reduzir o tempo de recarga pela metade. Hoje, a maioria dos veículos elétricos (VEs) é baseada em projetos de 400 volts, que podem demorar 20 minutos para adicionar 200 quilômetros (km) de alcance. Um VE de 800 volts pode fazer o mesmo trabalho em cerca de dez minutos.

PUBLICIDADE

Sete dos dez maiores fabricantes de automóveis do mundo em termos de receita anunciaram plataformas de 800 volts que introduzirão novos veículos ao mercado de massa nos próximos anos. A BMW, por exemplo, lançará seis modelos de sua plataforma Neue Klasse a partir de 2025.

Até agora, a tecnologia de 800 volts tem sido associada a veículos premium, com modelos como o Porsche Taycan e o Audi e-tron GT.

Mas ela está se tornando menos nicho, segundo a análise de mercado da Bloomberg. Os modelos de 800 volts com carregamento mais rápido tiveram uma participação de 4% de todas as vendas de veículos elétricos a bateria no terceiro trimestre de 2023, em comparação com apenas 0,8% em 2020. E isso pode melhorar ainda mais à medida que a tecnologia chega ao mercado de massa.

Modelo Porsche Taycan à mostra na Expo de Bangkok, na Tailândia, em 2024; fabricantes de carros de luxo buscam carregamento rápido  Foto: NARONG SANGNAK/EFE/EPA

O veículo mais popular, com mais de 218 mil unidades vendidas desde o lançamento em 2021, tem sido o Hyundai Ioniq 5, com preço relativamente modesto, que começa em torno de US$ 41,8 mil (R$ 206 mil) nos EUA. Somente esse modelo foi responsável por 35% de todas as vendas de 800 volts.

A montadora chinesa Geely está lançando um veículo elétrico de 800 volts ainda mais barato, o Zeekr 007, por menos de US$ 30 mil (R$ 148 mil) no mercado interno.

Ford, Toyota e Honda são os principais fabricantes que ainda não revelaram planos para modelos de 800 volts. Há um certo risco de que a contenção os torne não competitivos. No entanto, pode valer a pena ser um seguidor. Leva de quatro a oito anos para lançar um veículo no mercado. Eles poderiam aproveitar a nova tecnologia quando outros já tiverem investido na cadeia de suprimentos e os custos tiverem sido reduzidos.

Publicidade

Há também outra questão além do custo. A infraestrutura de carregamento tem sido tradicionalmente voltada para veículos de 400 volts. Atualmente, os carregadores de tensão mais baixa representam 86% dos carregadores rápidos dos EUA que podem fornecer mais de 100 quilowatts de potência. Mesmo na Alemanha, que tem feito um trabalho melhor na instalação de carregadores de tensão mais alta, os carregadores de 400 volts representam 55% dos disponíveis.

Os fabricantes de automóveis precisam projetar novos carros para funcionar em todos esses carregadores, mesmo que não consigam fornecer a potência máxima de carregamento de 350 quilowatts (kW) anunciada para os veículos.

Até o momento, há três abordagens de engenharia diferentes. O Porsche Taycan tem um componente eletrônico de potência adicional, chamado de carregador de impulso, para aceitar uma carga de 400 volts; o Hyundai Ioniq 5 incorporou a função no motor do veículo já existente, eliminando a necessidade de um componente extra; e o Tesla Cybertruck usa a tecnologia split-pack. Essa tecnologia conecta e desconecta baterias menores de baixa voltagem umas das outras para atingir a voltagem de carga necessária.

Embora seja improvável que os compradores de veículos elétricos saibam alguma coisa sobre as complexidades de engenharia desses modelos, as diferentes abordagens destacam os desafios complexos e a divergência que permanece no mercado de veículos elétricos. Haverá mais veículos elétricos de 800 volts nas ruas nos próximos dois anos, e a estratégia e os projetos por trás deles determinarão quais montadoras sairão na frente.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.