Publicidade

Publicidade

Publicidade

Bairro de luxo com maior torre de São Paulo, às margens do Pinheiros, sai do papel após 21 anos

Maior empreendimento imobiliário da América Latina, Parque Global terá apartamentos de R$ 5 milhões; empreendimento, que enfrentou problemas na Justiça, terá ainda hospital, shopping, hotel e universidade

Foto do author Lucas Agrela
Por Lucas Agrela
Atualização:

Após uma série de entraves burocráticos e jurídicos que atrasaram o projeto em mais de duas décadas, São Paulo deve ganhar um novo “bairro” de luxo às margens da Marginal Pinheiros, na zona sul da capital. Considerado o maior empreendimento imobiliário da América Latina, o Parque Global terá cinco torres residenciais, um shopping center, uma unidade para tratamento de câncer do Hospital Israelita Albert Einstein, uma universidade e a maior torre da cidade, com 52 andares, que abrigará um hotel e apartamentos menores.

PUBLICIDADE

O projeto, que ocupa um terreno de 218 mil m², é desenvolvido pela construtora Benx, do grupo Bueno Netto, em parceria com Jorge Pérez, CEO da americana Related Group, conhecido como o rei dos condomínios de Miami.

A ideia foi concebida em janeiro de 2003, quando Adalberto Bueno Netto, fundador e presidente da Benx, adquiriu um terreno próximo ao Rio Pinheiros que antes pertencia a uma concessionária de energia elétrica.

“Não posso dizer que escolhi a região. Foi uma grande oportunidade de comprar um terreno desse tamanho em uma zona bem adensada de São Paulo. Era a oportunidade de criar um novo bairro”, diz Netto. Hoje, só o terreno do empreendimento é avaliado em R$ 2 bilhões. O valor geral de vendas estimado do projeto é de R$ 14,2 bilhões.

Parque Global, que começou a ser concebido em 2003 e só deve ser totalmente concluído em 2030. Foto: Fábio Vieira/Estadão

Uma maquete milionária

Graças ao tamanho incomum do terreno, o novo bairro planejado terá 58 mil m² em área verde. O projeto é tão grande que só a enorme maquete do empreendimento teve um custo de R$ 4 milhões.

Desde o início, a execução do Parque Global não foi fácil nem rápida. Netto conta que apenas a regularização do terreno para o início das obras levou cerca de dez anos. Depois, veio um novo entrave: em 2013, o Ministério Público conseguiu embargar a obra após ter autorizado a construção.

Houve questionamentos sobre possíveis problemas para o trânsito na região. O MP também alegou que o solo e o lençol freático estavam contaminados, inclusive com gás metano. A área, antes, era ocupada por um depósito de material orgânico, e a decomposição poderia formar gases. A empresa chegou a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o MP, que acompanhou as investigações ambientais.

Publicidade

“Nos comprometemos a fazer o reaterro e a colocar detectores de aspiração de gás embaixo de qualquer construção. Em 2008, assinamos um TAC, que foi aprovado com unanimidade pelo conselho superior do MP. Prefeitura, Cetesb e todos os órgãos competentes fizeram a aprovação do terreno, fizemos audiências públicas, tudo que era necessário, e foi aprovado finalmente em 2013, quando lançamos o empreendimento. Já foi um sucesso nessa época”, diz Netto.

Embargo atrasou o empreendimento

Mesmo com a autorização para a construção, o embargo aconteceu. “Quando houve o embargo, chamamos os 330 compradores e pedimos dois anos de prazo, o que nos parecia tempo o suficiente para resolver a situação, mas, infelizmente, o caso evoluiu muito pouco no jurídico. Devolvemos todos os pagamentos que tínhamos recebido, que era uma grande quantia, incluindo corretagem”, diz Netto.

“Havia uma preocupação com o meio ambiente, e explicamos que a região era um destino de entulho no passado. Além disso, cruzou o nosso caminho um juiz que não era favorável ao investimento com capital estrangeiro. Sabíamos que estávamos certos e lutamos por muitos anos na Justiça, gastando muitos milhões de dólares em custas jurídicas e vencemos. Mas isso atrasou muito o projeto”, diz Pérez. A decisão só foi revertida sete anos depois, em 2020, e o empreendimento pôde então sair do papel.

O terreno está localizado em uma área contemplada pela Operação Urbana Água Espraiada, da Prefeitura de São Paulo, que definiu uma política de adensamento para a região. É permitido construir no local até quatro vezes a área total do terreno, mas as empresas escolheram construir apenas duas vezes e meia, evitando um adensamento maior.

Perez, da Related, conta que, além das dificuldades burocráticas e legais, o investimento imobiliário no Brasil traz consigo problemas ligados a instabilidades políticas e econômicas. “Quando começamos a construção, há mais de dez anos, o dólar era equivalente a R$ 2,50. Hoje, esse número praticamente dobrou”, afirma.

Proposta de um ‘novo bairro’

A proposta dos imóveis do projeto da Benx é oferecer aos moradores acesso a tudo que for necessário a uma distância de dez minutos, seja para ir ao trabalho ou buscar serviços e lazer. Basta ter dinheiro para pagar por isso.

Hoje, o preço médio do metro quadrado no projeto é avaliado em R$ 25 mil. O preço dos apartamentos de 244 metros quadrados pode ficar em torno de R$ 5 milhões, dependendo das condições do negócio.

Publicidade

Para a moradia, os compradores dos imóveis terão apartamentos com tamanhos de 142 a 384 m² e unidades duplex de até 597 m² nas cinco torres residenciais. Elas têm 47 andares, e as áreas comuns incluem itens que transformam o condomínio em uma espécie de clube.

São academias de musculação, quadras de beach tennis, quadras de tênis cobertas e descobertas, piscinas privativas que podem ser fechadas para festas, áreas com churrasqueira, simulador de golfe e até uma pista de boliche. Há ainda espaços para quem precisa trabalhar de casa e um wine bar desenhado pelo escritório de arquitetura Archea Associati, que projetou a vinícola de Antinori, na Itália, localizada na Toscana.

“Nosso comprador é um empresário de classe média-alta que busca o melhor em termos de arquitetura e design. Esse é um público que viaja e já viu os projetos em Miami e Nova York. Eles gostam que temos uma grande área com todo tipo de facilidade. Não vemos isso em outros projetos em São Paulo”, diz Perez, da Related. O executivo diz já ter construído mais de 100 mil apartamentos, a maioria em Miami e em Nova York.

Região cada vez mais valorizada

A região onde fica o Parque Global passa por uma valorização nos últimos anos. De acordo com especialistas, além de escolas e do Parque Burle Marx, o Parque Global foi um dos fatores que puxaram os preços de imóveis para cima. Na Vila Andrade, o preço do metro quadrado foi de R$ 6.614 por metro quadrado em 2021 para R$ 7.567 em 2024, um aumento de 14,4%, de acordo com dados de fevereiro da FipeZap.

“Era uma região muito marginalizada, com trânsito e ninguém queria vir para o bairro 12 anos atrás. O Parque Global trouxe um reflexo de aquecimento de mercado para a região do Real Parque, que tinha preços de imóveis abaixo da média, sem procura. Hoje, existe uma demanda muito grande, que também afeta a Vila Andrade”, afirma Luana Simões, corretora de imóveis da Zero Onze Imóveis, que atua na região.

Para lidar com o fluxo de moradores que o projeto trará para a região, a Benx precisou fazer obras de melhoria no entorno, como três novas pistas locais na Marginal Pinheiros em toda a extensão do terreno. Há, também, previsão de uma estação de interligação da Linha 17-Ouro do Metrô, que conectará a região ao aeroporto de Congonhas.

O Parque Global é ainda o responsável pelo consórcio que implanta o Parque Linear Bruno Covas. O projeto de 17 Km de extensão visa recuperar a margem oeste do Rio Pinheiros.

Publicidade

Apesar de diferente, o Parque Global tem inspiração em um modelo de sucesso em Nova York, o icônico Hudson Yards, que se tornou atração turística na cidade por ter um prédio com design de colmeia, o The Vessel, e por se conectar ao parque suspenso High Line.

No Brasil, o projeto mais semelhante ao Parque Global, que ainda assim é bem diferente, é o Parque Cidade Jardim, que conta com torres residenciais construídas em cima do shopping Cidade Jardim, com vista para o rio Pinheiros.

Adalberto Bueno Netto e Jorge Pérez são sócios no projeto Parque Global Foto: Keiny Andrade

“Entre os compradores de projetos imobiliários de luxo, há um mix de compradores que vão morar e que vão vender quando estiverem prontos. O terreno do projeto foi uma pérola. Será difícil replicá-lo na mesma dimensão na cidade de São Paulo”, diz Felipe Abramovay, CEO e cofundador da Pilar, empresa de tecnologia imobiliária para o mercado de alto padrão.

Apostar na valorização de projetos imobiliários milionários pode trazer retornos financeiros aos compradores. Apartamentos de prédios como o Heritage, da Cyrela, são vendidos atualmente por R$ 60 mil por metro quadrado.

Projeto também tem área comercial

Com a área residencial concluída até 2025, a segunda etapa do Parque Global já está em fase de construção. O novo Centro de Cuidados e Terapias Avançadas em Oncologia e Hematologia, do Albert Einstein, está previsto para ser concluído até o fim de 2026, assim como a torre que abrigará um hotel.

O shopping center (ainda sem operador anunciado) está previsto para ser concluído até 2028. O Parque Global terá, também, um prédio residencial de 52 andares com serviços de hotelaria de uma nova marca do Emiliano, chamada V3rso, e apartamentos menores, de 70 m². Os empresários ainda negociam com universidades para a criação de uma unidade que ficará no complexo imobiliário.

“Quando tivermos a segunda etapa, esse será um dos maiores projetos que já fizemos”, diz Pérez. Ele prevê que o projeto deve estar totalmente concluído em 2030.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.