Publicidade

O que explica o preço do petróleo ter chegado próximo de US$ 100 o barril

Numa tentativa de subir os preços do petróleo, os governos de Rússia e Arábia Saudita estenderam o corte voluntário de produção até o fim do ano

Foto do author Luiz Guilherme  Gerbelli
Por Luiz Guilherme Gerbelli

O aumento da cotação do petróleo para um patamar que chegou a se aproximar de US$ 100 o barril nas últimas semanas pode ser explicado pela decisão dos governos de Rússia e Arábia Saudita de reduzirem a sua produção.

PUBLICIDADE

Numa tentativa de forçar a subida dos preços, os dois países estenderam o corte voluntário de produção até o fim do ano. Juntos, os dois países respondem por uma redução de 1,3 milhão de barris por dia. Em maio e junho, o preço do barril caiu a US$ 75. Nesta quinta-feira, 5, a cotação está em torno de US$ 85.

O cenário global atual resulta, portanto, numa combinação bastante perversa: há uma queda na produção, mas um aumento da demanda, sobretudo, pela decisão da China de encerrar a sua política de covid zero.

“A ficha do mercado caiu”, afirma Walter de Vitto, economista e sócio da Tendências Consultoria. “O mercado ficou deficitário. Está se consumindo mais do que produzindo. Isso vai levar a um enxugamento de estoques neste segundo semestre, e os preços estão refletindo esse cenário.”

Desde o surgimento da pandemia de covid-19, a economia global vem tentando equilibrar a oferta e demanda de petróleo. Do fim de 2022 até meados deste ano, os preços do petróleo recuaram devido a um cenário oposto ao atual: uma desaceleração da demanda por causa da política chinesa de combate ao avanço da covid e um aumento da oferta por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

“Depois da pandemia, a Opep fez cortes para ajustar o mercado. Houve um descasamento muito grande entre demanda e oferta naquele momento, e acumulou-se muito estoque”, afirma o economista. “Quando os estoques recuaram e estavam num nível de maior equilíbrio, (os países) começaram a aumentar a produção.”

Por ora, a expectativa é que os preços do petróleo fiquem mais pressionados no curto prazo, mas há uma tendência de arrefecimento na cotação. Na projeção da Tendências, o preço do barril de petróleo vai permanecer acima de US$ 90 dólares até o fim do ano, mas deve recuar para a faixa dos US$ 80 no ano que vem.

Publicidade

Em dezembro, a consultoria estima um relaxamento do corte de produção e também trabalha com uma expectativa da queda da demanda diante da esperada desaceleração da economia mundial em 2024. “Os estoques devem refletir um cenário de maior equilíbrio do mercado”, afirma de Vitto.

E a Petrobras?

Para os analistas, não há a expectativa de que a atual administração da Petrobras adote uma política parecida com a do governo Dilma Rousseff, de segurar repasses de preços e que provoca um descasamento muito grande com o cenário internacional.

“Esse aumento de preços deve ensejar um novo reajuste neste ano, a não ser que ele volte mais rápido do que estamos projetando”, afirma De Vitto.

Sede da Petrobras; empresa deve promover reajuste, dizem especialistas  Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

No governo Luiz Inácio Lula da Silva, a Petrobras abandonou a política de reajuste de preços dos combustíveis — a paridade de preço internacional (PPI) —, criada no governo de Michel Temer e que considerava basicamente as cotações do petróleo no mercado internacional. O último reajuste da companhia foi anunciado em 15 de agosto.

“Na minha opinião, nas próximas semanas a Petrobras vai ter que aumentar o preço do diesel e da gasolina”, afirma Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Na terça-feira, 3, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse que a companhia analisa se será necessário realizar um novo reajuste de preços dos combustíveis ainda neste ano. “Já fizemos um ajuste (de preços), e estamos agora analisando a possibilidade ou não de outro reajuste até o fim do ano. O que temos de concreto é que a nossa política de preços está funcionando.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.