PIB: Economia brasileira foi do auge ao declínio em 20 anos; leia análise 

A derrocada da economia brasileira está fortemente associada ao desempenho das indústrias de transformação e construção, escrevem os pesquisadores da FGV Claudio Considera, Isabela Kelly, Juliana Trece

Publicidade

PUBLICIDADE

Por Claudio Considera, Isabela Kelly e Juliana Trece
2 min de leitura

O IBGE divulgou os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) referente a 2021: cresceu 4,6%, recuperando a queda de 2020. O valor per capita de 2021 é de R$ 40.688,00, ainda inferior ao de 2010. Conforme as Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira cresceu (51%) no período 2001-2019, e o PIB per capita cresceu 24%, parecendo ter entrado em nova fase de expansão, a despeito dos percalços pelo caminho. Isso foi interrompido pela pandemia, mas não só. Agora há um fator a mais: a guerra Rússia x Ucrânia.

A que se pode associar tal desempenho, ignorando os fatores externos? Ao examinar as atividades que compõem o PIB, nos últimos 21 anos, conforme resultados em reais de 2021, verifica-se que a agropecuária praticamente dobrou seu valor adicionado (VA). Sua qualidade é ser uma “commodity” com forte demanda e elevado valor internacional. A indústria teve um desempenho bem inferior, aumentando seu VA em 27,7%. 

Leia também

Dois componentes explicam a paralisia da produtividade industrial: a indústria de transformação e a de construção, com a redução da produtividade e estagnação nos últimos 21 anos. Foto: Foto: Taba Benedicto/Estadão

Conforme as Contas Nacionais Trimestrais, os piores desempenhos na indústria foram a de transformação e a da construção. Por outro lado, a extrativa mineral (“commodities”) e a eletricidade apresentaram crescimento significativo. Os serviços, por sua vez, tiveram seu VA aumentado em 55,7% representando, em 2021, 69% do VA total da economia.

Outro aspecto importante é o desempenho da produtividade, com aumento de 20% entre 2001 e 2013 e estagnação a partir de 2014 (na faixa dos R$ 82.000,00). Durante todo o período, a indústria, que tem a maior produtividade, declina enquanto a agropecuária, que tem a menor produtividade, cresce vigorosa e ininterruptamente. 

Os serviços, que têm baixa produtividade, evoluem de forma semelhante ao PIB. Dois componentes explicam a paralisia da produtividade industrial: a indústria de transformação e a de construção, com a redução da produtividade e estagnação nos últimos 21 anos.

A derrocada da economia brasileira está fortemente associada ao desempenho das indústrias de transformação e construção. Ambas ditam a evolução da indústria, e a indústria dita o rumo da economia brasileira, embora não sejam os componentes mais importantes. As “commodities” agropecuária e extrativa mineral – essa segunda graças às exportações de petróleo e gás e de minério de ferro – evoluem vigorosamente sem interrupção. Assim, aqui há duas notícias: a boa é que temos “commodities” e a má é que só temos “commodities”.

Continua após a publicidade

* SÃO PESQUISADORES DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA DA FGV

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.