Privatização da Sabesp deve ser votada nesta quarta na Assembleia de SP; entenda o que está em jogo

Votação do projeto, uma das promessas eleitorais do governador Tarcisio de Freitas, está prevista para começar às 17h30

PUBLICIDADE

Foto do author Beatriz Bulla
Por Beatriz Bulla
Atualização:

A base aliada do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), espera aprovar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) nesta quarta-feira, 6, a privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Promessa de campanha eleitoral do então candidato e hoje governador, a privatização da companhia de saneamento paulista é considerada a menina dos olhos do atual chefe do Palácio dos Bandeirantes, que diz que isso irá transformar a Sabesp em uma multinacional de saneamento. Atualmente, o governo paulista detém 50,3% das ações da empresa e a intenção, com a privatização, é reduzir a participação estatal a algo entre 15% e 30%.

Privatização da Sabesp foi uma das promessas de Tarcisio de Freitas durante a campanha eleitoral Foto: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

PUBLICIDADE

O principal argumento do governo e da base aliada a favor da privatização é a antecipação da universalização do saneamento, prevista no Marco Legal do Saneamento Básico, de 2033 para 2029. As metas preveem que 99% da população do município seja atendida com água potável e 90% com coleta e tratamento de esgoto até lá. O governo também promete incluir áreas rurais e urbanas hoje não contempladas, incluindo 1 milhão de pessoas na área de cobertura da Sabesp.

A empresa previa investimentos de R$ 56 bilhões para atingir as metas de universalização até 2033. Com a privatização, o governo diz que irá garantir R$ 10 bilhões extras para antecipar e ampliar os serviços e para destinar recursos a um fundo usado para redução da tarifa cobrada do consumidor. O modelo da privatização, se aprovado, será o de oferta subsequente de ações, modelo chamado de “follow on” - uma vez que a empresa já tem ações negociadas na Bolsa. Seu valor de mercado hoje é de cerca de R$ 46 bilhões.

O debate no plenário da Alesp começou na segunda-feira, 4, com discursos da oposição no intuito de protelar a votação. Na noite de terça-feira, 5, o tema voltou a ser discutido em uma sessão extraordinária que se estendeu até a madrugada desta quarta-feira. A oposição usou todas as manobras regimentais para atrasar o fim dos debates. Quase à meia-noite, a base aliada do governo reuniu maioria para votar pelo encerramento das discussões, com 58 votos a favor do fim da fase de debate e 20 votos contrários.

Com isso, a votação deverá acontecer na sessão desta quarta-feira, prevista para começar às 17h30.

O projeto de lei da privatização da Sabesp foi enviado por Tarcísio em 18 de outubro para a Alesp, com caráter de urgência. O texto do Projeto de Lei 1501/2023 foi aprovado pelas comissões de Constituição, Justiça e Redação; de Infraestrutura; e de Finanças, Orçamento e Planejamento, no fim de novembro. Foram 27 votos favoráveis e 8 contrários no Congresso de Comissões que reuniu os três colegiados.

Publicidade

Para ser convertido em lei, o projeto precisa de 48 votos favoráveis no plenário, que tem 94 deputados. Deputados da base de Tarcísio dizem que há maioria confortável para aprovar a privatização. Depois disso, o texto precisa ir à sanção do governador.

A Sabesp é uma empresa de economia mista, responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgoto de 375 municípios paulistas. A empresa atende 28,4 milhões de pessoas com abastecimento de água e 25,2 milhões com coleta de esgotos.

Tarifa

Uma das principais questões debatidas quando o assunto é a privatização da Sabesp é o impacto na conta de água do consumidor.

O governo propôs, no projeto de lei, que 30% do valor obtido com a privatização seja destinado ao Fundo de Apoio à Universalização do Saneamento no Estado de São Paulo (chamado Fausp), vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística. A intenção é garantir tarifas baixas com o fundo.

O governo é criticado, no entanto, por não apontar até quando esse fundo deve durar para segurar o aumento da tarifa.

Pesquisa do IBGE aponta que 58% das cidades (3.257) não têmplano de tratamento de água, esgoto e resíduos Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Em entrevista ao Estadão, o atual diretor-presidente da Sabesp, André Salcedo, disse que a privatização tende a segurar o aumento na tarifa. “Se nada for feito, temos uma curva tarifária que tende a aumentar, porque os investimentos vão aumentar”, afirmou.

Críticas

A oposição a Tarcísio argumenta que não há estudos suficientes sobre o tema e argumenta que o governador tenta aprovar o projeto a toque de caixa. Uma das queixas é sobre o texto ter sido votado no Congresso de Comissões - e não separadamente em cada um dos colegiados.

Publicidade

Em artigo publicado no Estadão, a deputada Mariana Helou criticou a falta de um plano de investimento detalhado. “Como garantir investimento para a universalização sem tal informação? Como saber se as pessoas em situação de vulnerabilidade serão priorizadas? A ausência de transparência é preocupante”, escreve a deputada.

Nesta terça-feira, deputados da oposição indicaram qual vai ser seu próximo passo após a aprovação do projeto: “A gente vai brigar em cada Câmara (municipal) e no Judiciário para barrar a privatização”, disse o deputado Donato (PT), durante sessão plenária.

Participação do Estado

Tarcísio promete que o “Estado se manterá em uma posição relevante, como um dos principais acionistas da empresa”.

Na proposta enviada à Assembleia, o governo do Estado estabelece que pode vetar algumas decisões relativas à companhia, mesmo depois da privatização. Isso inclui decisões sobre mudança de nome, da sede, da atividade econômica ou o limite máximo de votos que um acionista pode ter na empresa.

A recente onda de críticas à Enel pelo apagão em bairros de São Paulo após um vendaval atingir o Estado no início de novembro deu força a questionamentos à privatização de serviços públicos. O presidente da Sabesp, no entanto, diz que isso “robustece o debate”. “Eventos como esse, numa concessão de 30 anos, vão acontecer. E como é que você trata isso? Com uma regulação bem construída.” /COLABOROU MATHEUS SOUZA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.