Publicidade

Publicidade

Procon: queixas de telefonia crescem 143,25%

Segundo balanço semestral realizado pelo Procon-SP, o número de reclamações dos serviços prestados por empresas de telefonia aumentou em 143,25% em 2001 em relação a 2000. Outro grande vilão são os planos de saúde.

Por Agencia Estado
Atualização:

Reclamações contra os serviços prestados pelas empresas de telefonia aumentaram em mais de 100% durante os primeiros seis meses deste ano em relação ao mesmo período de 2000 e permanecem no topo do ranking de reclamações realizado pela Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual. Segundo o balanço, o número de queixas contra os serviços prestados pela empresas de telefonia no primeiro semestre deste ano foi de 7.942, sendo que no mesmo período de 2000 foram registradas 3.265 reclamações, um aumento de 143,25%. O número total de reclamações registradas junto aos postos de atendimentos do órgão aumentou de 13.383, em 2000, para 22.246 de janeiro a junho deste ano. O aumento do número de reclamações não foi observado apenas no setor de telefonia. O número de reclamações sobre cartão de crédito aumentou de 394 para 601, uma elevação de 52,54%. Merece destaque também o aumento do número de queixas prestadas contra os planos de saúde, que em 2000 era de 865 e, neste ano, subiu para 1109, uma alta de 28,21%. Paralelamente à crise do racionamento de energia elétrica, o número de reclamações contra empresas que fornecem energia aumentou e aparece no ranking ocupando o 6º lugar. Durante o primeiro semestre de 2000, foram registradas 291 reclamações. Neste ano, o número saltou para 636, uma elevação de 118,56%. Veja a tabela com o número de reclamações de janeiro a junho de 2000 e 2001: SETORES 2001 2000 Telefonia 7.942 3.265 Móveis 1.591 1.059 Planos de saúde 1.109 865 Bancos 1.135 858 Serviços de água/esgoto 710 585 Artigos de leitura 239 436 Cartão de crédito 601 394 Veículos 524 316 Fornecimento de energia elétrica 636 291 Financeiras 585 221

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.