Nas redes sociais, 86% culpam Bolsonaro por aumento dos combustíveis

Levantamento realizado pelo estúdio de análise de dados Novelo Data fez uma varredura nas redes sociais para captar o comportamento dos usuários sobre os principais temas dos últimos dias

PUBLICIDADE

Foto do author André Borges
Por André Borges
Atualização:

BRASÍLIA - A alta dos combustíveis tem um efeito corrosivo sobre a imagem do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais. Na semana passada, de cada 100 pessoas que se manifestaram pelo Twitter sobre o assunto, 86 tiveram como alvo o presidente, apontado como o principal culpado pelo aumento dos preços da gasolina, etanol, diesel e gás de cozinha. Apenas 14% das pessoas tinham uma postura pró-governo em relação aos combustíveis.

O Estadão teve acesso a um estudo feito em conjunto pelos estúdios de análise de dados Novelo Data e Essa tal rede social, que fizeram uma varredura nas redes sociais para captar o comportamento dos usuários sobre os principais temas dos últimos dias. No caso do Twitter, a avaliação se concentrou em citações sobre o aumento dos combustíveis feitas nos dias 10 e 11 de março. Nestes dois dias, foram feitas mais de 590 mil menções sobre o preço dos combustíveis, somadas as publicações de Twitter e Facebook. 

Frentista abastece carro; alta dos combustíveis teve impacto na imagem do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

PUBLICIDADE

 A analista de redes Carina Pensa lembra que, em toda ocasião em que a Petrobras anuncia reajustes nos combustíveis, o presidente Bolsonaro tenta transferir a culpa para algum fator que não esteja ligado a seu governo. “Durante meses, o principal culpado pelo alto preço foram os governadores e o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Esse argumento, porém, se esgarçou. Por isso, além do ICMS, Bolsonaro responsabilizou os escândalos de corrupção do PT, a guerra da Ucrânia e até o Supremo Tribunal Federal.”

As estratégias, segundo a especialista, não surtiram muito efeito. Então, sem conseguir frear a onda de críticas, perfis ligados ao bolsonarismo adotaram a estratégia de disseminar que a gasolina no Brasil seria uma das mais baratas do mundo, frase que foi dita por Bolsonaro em sua “live”.

O debate sobre os combustíveis se manteve em alta, com domínio da narrativa antibolsonarista, absorvendo, inclusive, perfis que estão fora da tradicional polarização política. Uma das mensagens compartilhadas no Twitter desde a última quinta-feira, com mais de 64 mil “retweets” foi “parem de aumentar a gasolina!! eu nem tirei carteira ainda”. 

Bolha

Outro tema que teve destaque nas redes na semana passada foram as manifestações contra a abertura das terras indígenas em votação no Congresso e demais pautas da área ambiental, que foram puxadas pelo evento “Ato pela Terra”, realizado pelo cantor Caetano Veloso e demais artistas em Brasília, apoiado por centenas de organizações civis.

Publicidade

A avaliação da Novelo Data mostra, porém, que o assunto ficou, em grande medida, restrito a perfis que já possuem posição crítica ao governo e à condução da área ambiental pelo Congresso, ou seja, não houve grande repercussão fora da “bolha” que já trata desses temas.

“A questão ambiental se mistura muito com a política. Por isso, costuma ser puxada sempre pelos mesmos atores. Vimos isso mudar um pouco com o Ato pela Terra, mas nada muito representativo”, diz Carina Pensa.

Ao analisar publicações relacionadas à exploração mineral em terras indígenas e pautas ambientais, entre os dias 8 a 10 da semana passada, a Novelo concluiu que 69% das manifestações tinham postura crítica às propostas em andamento na Câmara, enquanto 31% defendiam os projetos. “Essas menções, porém, ficaram concentradas nos mesmos atores que já têm posição conhecida. Já vimos isso em outras situações”, comenta Carina. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.