Publicidade

Publicidade

Rodrigues diz que não está feliz, mas ficará no governo

Por Agencia Estado
Atualização:

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, reafirmou hoje que não pretende deixar o governo. Segundo ele, suas críticas à taxa de juros e à política cambial não significam uma desavença com a área econômica do governo. "Eu tenho a compreensão de que as demandas são muitas e não cabem no cobertor do orçamento nacional. Eu compreendo, mas não significa que estou feliz", disse. Rodrigues disse reconhecer o esforço do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, para combater a inflação utilizando como instrumentos a taxa de juros e a política cambial. Entretanto, ressaltou, nesse momento em que a agricultura enfrenta uma perda de renda de R$ 17 bilhões em decorrência da queda dos preços e da quebra de produção de 18 milhões de toneladas de grãos por causa da seca, os juros e o câmbio são fatores que complicam ainda mais a situação do setor. Rodrigues explicou que o governo prorrogou R$ 4 bilhões em dívidas de custeio e agora esses recursos estão fazendo falta para financiar o plantio da safra 2005/06. "Menos dinheiro a um custo mais alto em um ano de crise de renda é muito complicado", afirmou. O ministro reiterou que não existe mal-estar entre ele e a área econômica do governo e que tem havido um diálogo freqüente na busca de soluções para financiar a agricultura.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.