Publicidade

Troca na Petrobras é ‘risco político’ e elevará incertezas sobre câmbio e juros, dizem economistas

Dia seguinte ao anúncio da demissão de Prates deve ser ‘muito pesado’, com queda do Ibovespa, devido ao enorme peso da estatal no índice; indicação de Magda Chambriard deve ‘causar calafrios’ nos investidores

Por Amélia Alves e Luís Eduardo Leal
Atualização:

A demissão do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira, 14, representa maior risco político e criará incertezas sobre o câmbio e os juros, segundo analistas de mercado ouvidos pelo Estadão/Broadcast.

PUBLICIDADE

Segundo apurou a reportagem, a ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, deve ser nomeada ao posto, por indicação do ministro da Casa Civil, Rui Costa.

A decisão foi classificada como negativa pela Ativa Investimentos. “Sem entrar no mérito da nova escolhida, classificamos a decisão como negativa, uma vez que Prates vinha desempenhando o que classificamos como um bom papel na companhia, equilibrando os interesses econômicos e políticos da empresa com sabedoria”, destaca o analista Ilan Arbetman.

Segundo ele, na teleconferência de resultados do primeiro trimestre nesta terça-feira, quando participou apenas via vídeo gravado, Prates ressaltou seu compromisso com a remuneração do investidor e o investimento em ativos de petróleo, o que voltará a ficar sob reavaliação após a nova mudança de gestão. “Foi uma forma de falar que me surpreendeu”, diz Ilan.

Jean Paul Prates foi presidente da Petrobras por um ano e quatro meses Foto: PEDRO KIRILOS / ESTADÃO

Por ora, de acordo com ele, vale destacar o caráter negativo desta decisão, que ratifica, como destacou na análise dos resultados mais cedo, “o maior risco político da empresa e nossa recomendação apenas neutra para as suas ações”.

Na avaliação de Felipe Corleta, diretor de Investimentos da GTF Capital, o impacto da demissão de Prates deve gerar um grande ônus para o mercado local.

“Vai ser um dia muito pesado, o Ibovespa deve cair porque a Petrobras tem um peso enorme no índice e a notícia trará incertezas também do ponto de vista do câmbio e de juros, já que a Petrobras é uma estatal extremamente importante para o Brasil”, destaca.

Publicidade

Sobre a indicação de Magda Chambriard, ele avalia como outro ponto negativo, apesar da sua experiência no setor de petróleo. Ela carrega a marca que “causa calafrios” aos investidores.

“O mercado não gosta de surpresa e não gosta de ser pego no contrapé. Amanhã, devemos ter uma queda expressiva das ações, que só vai acalmar após posicionamento claro da nova gestão, especialmente com relação a dividendos e investimentos”, diz.

Abertura ‘nervosa’

A repercussão da saída do presidente da Petrobras tende a pressionar a abertura do mercado brasileiro nesta quarta-feira, 15, avaliam especialistas, citando não apenas a Bolsa como o câmbio.

“Sem comentar especificamente a mudança para a empresa, é possível dizer que a decisão tende a trazer efeitos também para o quadro macro, em um momento que já era difícil, com o Copom rachado na decisão sobre a Selic em maio e toda a situação no Rio Grande do Sul”, observa o economista André Perfeito.

PUBLICIDADE

Para o economista Rodrigo Marcatti, CEO da Veedha Investimentos, “do ponto de vista da governança” da empresa, “cedo ou tarde isso ia acontecer”, referindo-se à queda de Prates e a chegada de um nome possivelmente mais alinhado a demandas do governo, principal acionista da estatal.

“Óbvio que reverbera muito mal, porque no final do dia teve a fritura do Prates, uma interferência do governo, além de toda a polêmica recente em torno dos dividendos”, acrescenta Marcatti, destacando a queda de quase 7% para os ADRs da Petrobras no fechamento do after market de Nova York, nesta noite.

“No final das contas, vai impactar a curtíssimo prazo. Mas não acho que mudará radicalmente, nesse momento, o direcionamento da política da empresa”, afirma Marcatti. “É só o início de um movimento já sabido, que desde o ano passado correspondia à vontade do governo. Mais do mesmo.”

Publicidade

De qualquer forma, “é uma sinalização ruim”, observa o economista e CEO da Veedha, em momento no qual a Bolsa já sofre com os efeitos da saída de capital estrangeiro ao longo dos últimos meses.

“Ainda é muito cedo para afirmar: é preciso ver quem, de fato, vai assumir a presidência da Petrobras. Mas os ADRs já reagiram muito mal, chegando a cair mais de 8% no ‘after’ de Nova York. É preciso entender os motivos da decisão, e se ficar clara a motivação política, as ações da Petrobras vão sofrer muito nos próximos dias”, resume Pedro Lang, economista e sócio da Valor Investimentos. “O nome de Magda Chambriard, se vier a ser confirmado, tende a ser mal recebido pelo mercado”, acrescenta Lang.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.