PUBLICIDADE

Publicidade

Simone e Tasso dizem que PEC fere responsabilidade fiscal, mas votam a favor e citam fome como razão

Senadores do PT e do PDT votaram a favor da proposta, mas Lula e Ciro Gomes também criticaram o texto

Por

BRASÍLIA - Os senadores Simone Tebet (MDB-MS) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) criticaram, mas mesmo assim votaram a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que turbina benefícios sociais nas vésperas da eleição. A emedebista é pré-candidata a presidente e deve ter Tasso como vice. Os dois têm pautado a pré-campanha com foco na responsabilidade fiscal. Mesmo com senadores do PT e do PDT votando a favor da proposta, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) também criticaram o texto.

PUBLICIDADE

Foram 72 votos a favor no primeiro turno e um contra. No segundo foram 67 a favor e um contra. O senador José Serra (PSDB-SP) foi o único a votar contra nos dois turnos.

O projeto, que foi patrocinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) aumenta o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, cria o bolsa-caminhoneiro e o bolsa-taxista, amplia o vale-gás e compensa Estados pela gratuidade de idososno transporte público e traz uma compensação para alíquota menor para o etanol. O custo estimado é de R$ 41,2 bilhões. O texto cria um "estado de emergência", que permite uma burla na lei eleitoral e concede a criação de benefícios sociais. Fora do estado de emergência ou calamidade, a legislação proíbe a concessão de benesses em ano de eleição.

Senadores Simone Tebet e Tasso Jereissati; eles criticaram PEC patrocinada por Jair Bolsonaro, mas votaram a favor Foto: Adriano Machado/ Reuters - 4/9/2019

A justificativa usada por Tasso e Simone para ferir os princípios de responsabilidade fiscal, com despesas fora do teto de gastos e que quebram a regra de ouro, que proíbe aumento de despesas sem ser para investimentos, foi o combate à fome e à miséria. Simone também ressaltou o caráter temporário e emergencial da medida. "Ela só vale até 31 de dezembro e criou crédito extraordinário", disse ao Estadão. Questionada sobre a possibilidade de ser criado um constrangimento para que o próximo presidente mantenha os benefícios a partir de janeiro de 2023, a emedebista não comentou.

Na quinta-feira, 30, durante a votação, Tasso estava em sua casa em Fortaleza (CE) e participou da sessão por meio do sistema remoto. Ao mesmo tempo que o texto era discutido, o tucano também participava de um evento virtual que debatia os 28 anos do Plano Real.

No evento, o senador criticou o ritmo acelerado de análise da proposta e reconheceu que a medida fere regras fiscais. "Estamos votando uma PEC em 24 horas, lemos o relatório ontem, quase que votávamos, se não houvesse uma grita muito grande, ontem mesmo uma PEC que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal, o teto e a lei eleitoral", apontou.

Mesmo assim, o parlamentar disse que aprovar o texto era necessário. "Dentro de alguns minutos votaremos e acho que vai ser quase que por unanimidade o voto sim em função do cenário que estamos vivendo hoje de extrema fome, miséria mesmo", afirmou.

Publicidade

Simone Tebet também participaria do evento do Plano Real, mas se ausentou porque acompanhou a sessão do Senado presencialmente em Brasília. Quando discursou no Plenário do Senado durante a votação, Simone também afirmou que a proposta foi feita de modo improvisado, mas que não poderia votar contra porque se preocupa com relatos de mães de família que não têm o que comer.

"Nós não estamos diante de uma escolha de Sofia. Não quando tantas Sofias e Marias estão sofrendo a dor da fome. Então não é uma escolha de Sofia, nós temos que efetivamente avançar e avançar rapidamente em uma solução para quem hoje não tem o que dar de comer a seus filhos", declarou.

Mesmo votando favorável, a parlamentar pediu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para que as próximas medidas que alterem a Constituição não sejam votadas diretamente no Plenário e passem antes pela análise da Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

"Não é possível nós entrarmos para os anais da história do Brasil, de votarmos uma PEC tão relevante, que fura teto, que viola lei de responsabilidade fiscal, que atinge a regra de ouro, fazendo alterações de vírgula ou de parágrafo na coxa. Porque é isso que estamos fazendo", afirmou.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Apoiador do projeto presidencial de Simone, o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) também votou a favor da PEC. De acordo com ele, o Senado não pode apostar no "quanto pior, melhor" e que a discussão sobre o assunto se contaminou por conta do debate eleitoral. "Existe hoje uma contaminação pelo clima eleitoral muito acentuada em todos os setores e uma visão de que para tirar o Bolsonaro vale tudo, inclusive deixar o povo sofrer mais alguns meses", afirmou. "Eu não voto no Bolsonaro, acho que o governo tem problemas muitos sérios, mas não posso entrar nesse quanto pior, melhor para ter proveito eleitoral", completou.

Do outro lado, o ex-presidente Lula afirmou que a proposta é uma tentativa de Bolsonaro de comprar voto. "Ele (Bolsonaro) acha que pode comprar o povo, acha que o povo é um rebanho, que o povo não pensa, ele acha que o povo vai acreditar em mentira, e não vai”, disse o petista durante evento em Salvador (BA) nesta sexta-feira, 1º.

Seis dos sete senadores do PT votaram favoráveis à PEC. O senador Humberto Costa (PT-PE) se ausentou da votação. O ex-presidente defendeu a criação de programas sociais, mas ressaltou que a medida é eleitoreira. “Acho que o povo tem que pegar o dinheiro, mas não é isso que resolve o problema porque tudo isso vai acabar em dezembro. Na verdade, o projeto que ele mandou é um projeto eleitoral.”

Publicidade

Já Ciro Gomes classificou a medida como PEC do "desespero", "do fim do mundo" e "da vergonha". Apesar disso, três dos quatro senadores do PDT votaram a favor da proposta. O senador Cid Gomes (PDT-CE), irmão de Ciro, não participou da votação.

O pedetista ainda afirmou que o texto "tritura" a Constituição. “Ao povo, no seu estado de penúria, não se pode negar nada. Mas não se pode colocar no seu prato de comida os restos triturados da Constituição. Se continuarmos a fazer isso, seremos uma nação sem lei, sem estado de direito e sem democracia”, afirmou em mensagem publicada no Twitter.