Publicidade

STF: Maioria vota para validar acordo entre União e Estados sobre ICMS dos combustíveis

Texto será encaminhado ao Congresso; acordo prevê que eventual compensação em dinheiro aos Estados será aberta por meio de crédito extraordinário

Foto do author Lavínia  Kaucz
Por Lavínia Kaucz (Broadcast)

BRASÍLIA - A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou para validar o acordo firmado entre o governo federal e os Estados para compensar a perda de receitas dos governadores com a limitação da cobrança do ICMS sobre combustíveis, energia e telecomunicações. O texto será encaminhado ao Congresso.

A perda de arrecadação é fruto de uma lei que fixou teto de 17% a 18% na cobrança do imposto estadual sobre esses itens – medida aprovada pelo Congresso e patrocinada pelo Palácio do Planalto às vésperas das eleições, para baixar os preços dos combustíveis.

Os combustíveis foram considerados bens essenciais e tiveram a cobrança da alíquota do ICMS limitada pelo Congresso/Foto: Tiago Queiroz/Estadão Foto: Tiago Queiroz/Estadão

PUBLICIDADE

O relator do caso, Gilmar Mendes, foi seguido até agora por Edson Fachin, Cármen Lúcia, Luis Roberto Barroso, Nunes Marques, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux. Devem votar ainda nesta quarta-feira, 14, os ministros André Mendonça, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Rosa Weber.

Os membros da comissão criada por Gilmar para discutir o tema realizaram a última reunião em dezembro, quando decidiram manter diesel, gás natural e de cozinha como itens essenciais – e, portanto, sujeitos ao teto do ICMS.

Os Estados querem retirar a gasolina dessa categoria, e uma nova comissão será criada para discutir o assunto. A União propôs a manutenção do combustível como essencial, com uma alíquota adicional, mas não houve acordo.

A Fazenda Nacional concordou em mudar a base de comparação anual da perda de receitas para base mensal ao calcular o gatilho de compensação – acionado quando os Estados apresentarem perda de 5% ou mais na arrecadação. Houve, ainda, um acordo para que uma eventual compensação em dinheiro só seja aberta por meio de crédito extraordinário.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.