Como melhorar o perfil no LinkedIn e aumentar a chance de conseguir um novo emprego

Recrutadoras contam como usam a rede social para encontrar profissionais e dão dicas sobre como conseguir uma entrevista através da plataforma

PUBLICIDADE

Foto do author Bruna Klingspiegel
Por Bruna Klingspiegel
Atualização:

Ao mesmo tempo que o LinkedIn é a rede social preferida de quem está procurando um emprego novo, a plataforma também tem papel estratégico para os recrutadores que buscam novos talentos. Com fácil acesso a processos seletivos de milhares de empresas, ter um perfil bem estruturado com informações chave e entender a forma como os RHs utilizam a plataforma pode oferecer vantagens para quem quer ser visto e contratado através da rede social.

PUBLICIDADE

“Procurar emprego dá muito trabalho. Existe toda uma preparação para te ajudar a se destacar nesses 50 milhões de profissionais que a gente tem dentro da plataforma”, diz Ana Claudia Plihal, Executiva de Soluções de Talentos do LinkedIn no Brasil.

Com mais de 50 milhões de usuários ativos na plataforma, o Brasil tem hoje a quarta maior comunidade na rede social, atrás apenas de China, EUA e Índia. De acordo com um levantamento divulgado pela Statistic Brain, 90% dos recrutadores entrevistados usam o LinkedIn regularmente para encontrar profissionais.

O Brasil é a quarta maior comunidade dentro do LinkedIn. 

A ferramenta utilizada pelos recrutadores para encontrar e contatar candidatos ideais é o Linkedin Recruiter. Ele é uma interface que tem acesso a toda a base de membros. Com mais de 20 filtros, é possível selecionar candidatos por palavras-chave, competências, probabilidade de resposta ou até buscar pessoas que já interagiram com publicações da marca na rede social.

“É como se você estivesse comprando um computador. Você seleciona o tamanho de tela, quanto de memória RAM e qual a configuração você quer”, explica Plihal. A solução possibilita que os recrutadores apliquem uma série de pré-requisitos sobre a base de usuários e a partir dali, recebam o retorno com os candidatos que mais se encaixam naquele perfil.

A executiva explica que a inteligência artificial do LinkedIn cruza uma série de informações sobre o usuário para comprovar as competências técnicas destacadas ou não no perfil. “Quando buscamos candidatos com competências voltadas ao relacionamento com o cliente, por exemplo, perfis com histórico de atendimento em Call Center ou gestão de atendimento levam vantagem, mesmo não destacando a habilidade no perfil.”

De acordo com especialistas, é através da plataforma que é possível conhecer melhor toda a trajetória profissional da pessoa candidata - seja através das suas qualificações ou até das suas conquistas profissionais ou projetos que já realizou.

Publicidade

A recrutadora para Negócios no Google Brasil Carol Rocha afirma que o Linkedin é uma grande vitrine de talentos com profissionais de todo mundo. Além disso, é uma boa forma de buscar perfis que não se aplicariam às vagas de forma orgânica. “Sabemos que ainda há muitas pessoas que não se enxergam trabalhando no Google. É crucial que possamos trazer cada vez mais representatividade no nosso pipeline.”

Para Ana Cunha, recrutadora de Tecnologia na multinacional, a busca por talentos na rede social é indispensável quando o assunto é o setor tecnológico. Ela explica que as candidaturas passivas - onde o próprio candidato vai até o site de vagas e se candidata - estão desaparecendo e dando lugar a busca ativa por talentos.

Dicas das recrutadoras

Confira quatro dicas para criar um perfil atraente e chamar a atenção de recrutadores na maior rede social profissional do mundo.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

  • Não basta ser um bom profissional, você precisa ser notado. Manter o perfil completo e atualizado aumenta as suas chances de aparecer nas buscas e de ser abordado por recrutadores. “Perfis que compartilham mais dos projetos que já participaram ou que contam com mais detalhes sobre a escala na qual já trabalhou ou alguns dos desafios em cada uma das experiências que teve, também nos ajudam a entender melhor se a pessoa candidata tem potencial para combinar com a vaga”, pontua a recrutadora de Tecnologia do Google Ana Cunha.
  • O título do seu perfil é como você se apresenta para o mercado. As palavras-chaves são uma ferramenta estratégica para os profissionais que querem ser encontrados pelos recrutadores. “Você pode escolher 5 palavras que se encaixem com os seus objetivos profissionais. Se está buscando uma posição como Assistente Administrativo, por exemplo, pense em variações dessa área. O importante é não diversificar muito para não confundir o algoritmo nem o recrutador que vai pensar que você é um candidato sem foco”, explica Mariana Torres, Especialista em Recolocação e Consultora de Carreira e LinkedIn.
  • Esteja lá todos os dias. “Seja através do aplicativo no celular ou pelo computador, quem está procurando emprego precisa ficar de olho na rede social o tempo todo. Os recrutadores abordam muitos candidatos pela plataforma e tem gente que por não estar de olho, acaba perdendo muitas oportunidades”, ressalta Torres.
  • Não deixe de atualizar o que você está fazendo. Faça o exercício de lembrar o que você tem feito de bom profissionalmente e compartilhe suas conquistas no Linkedin. “Além de a inteligência artificial levar o engajamento em conta na hora de escolher a relevância dos perfis, a interação humaniza pode te aproximar de futuros contatos importantes para sua carreira”, destaca Ana Claudia Plihal, Executiva de Soluções de Talentos do LinkedIn no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.