PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

O blog do Caderno de Oportunidades

Incubar a empresa requer cuidados na hora de fechar acordo

O que me resta é acompanhar e torcer pra que cada vez mais tenhamos ações sérias de apoio ao ecossistema empreendedor

Por blogs
Atualização:
 Foto: Estadão

 *Wagner Marcelo

PUBLICIDADE

Nos últimos tempos surgiram grandes centros de inovação espalhados pelo País. São incubadoras, parque tecnológicos, pólos de inovação e aceleradoras que tem como objetivo dar o suporte que o empreendedor precisa para fazer o seu negócio girar.

É muito interessante acompanhar todo esse movimento, pois existe a possibilidade de criação de novas tecnologias em todas as regiões do País e o mais importante: apoio ao ecossistema empreendedor. O que me preocupa é que, muitas vezes, essas organizações surgem apenas para trabalhar em benefício próprio. Algumas incubadoras esqueceram o motivo de sua existência, deixando de canto os atores principais - os empreendedores. Dá a impressão que acabou criando-se um mercado em torno do empreendedor, onde são poucas as instituições que, de fato, estão preocupadas em alavancar seus negócios. A maioria, infelizmente, ganha dinheiro em cima do sonho alheio. Neste contexto, empreendedor não encontrará instituições ou pessoas que estejam dispostas a correrem o risco em conjunto. Aí fica uma pergunta que não sai da minha cabeça: será que isso acontece por falta de conhecimento básico no âmbito jurídico? Ou seria porque ninguém quer trabalhar em projetos com retorno a longo prazo? Será falta de visão? Para os empreendedores, o processo de aceleração é um momento muito importante e crucial. Afinal, é neste período que o seu negócio amadurece para poder crescer e caminhar para onde se deseja. Para o nosso modelo de aceleração conseguir alavancar negócios, é preciso trabalho sério e transparente por parte das incubadores. Só assim, atingirão seu objetivo principal, que é gerar riqueza e empregos. Será que seremos um grande caso e conseguiremos desenvolver inovações em diferentes regiões do País? Fico com essa dúvida e o que me resta é acompanhar e torcer pra que cada vez mais tenhamos ações sérias de apoio ao ecossistema empreendedor. *Coordenador do grupo de Startups na PUC-SP. É membro do comitê de Investimento e Inovação da FIESP/CAF e sócio-diretor da Intellecta - Centro de estudos avançados. www.intellecta.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.