Publicidade

Turnê de Taylor Swift chega à Europa e pode mexer até na inflação dos países

Enquanto analistas debatem os efeitos econômicos da passagem da cantora pelo continente, a multidão de fãs aumenta a procura por hotéis e serviços

Por Eshe Nelson (The New York Times)

Não são apenas os fãs de Taylor Swift que estão de olho nas datas da turnê Eras. Um dos economistas mais proeminentes da Europa está bem ciente de que a cantora está passando o verão voando entre os estádios europeus.

PUBLICIDADE

Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu, tinha a estrela pop em mente quando falou em um evento na segunda-feira, 17. O entrevistador perguntou a ele sobre o risco de que a inflação persistente no setor de serviços pudesse se intensificar, especialmente com a Europa entrando em um verão particularmente agitado com as Olimpíadas em Paris e a Eurocopa na Alemanha.

“Bem, isso é muito interessante”, disse ele no evento. “Você conseguiu dizer tudo isso sem dizer Taylor Swift.”

Swift está em turnê pela Europa neste verão, trazendo em seu rastro centenas de milhares de ‘swifties’ que gastam com passagens aéreas, hotéis, restaurantes e pulseiras da amizade. Na sexta, 21, ela fez o primeiro de oito shows no Estádio de Wembley, em Londres. E os analistas estão debatendo a pegada econômica que ela deixará.

A cantora Taylor Swift durante apresentação no Alianz Parque, em São Paulo, no final de 2023 Foto: TABA BENEDICTO / ESTADAO

Os economistas dos Estados Unidos sabem que Eras é um “tour de force” econômico. Como os consumidores esbanjaram em shows, refeições, férias e outras experiências recreativas que perderam durante os bloqueios da pandemia, uma empresa estimou que a turnê poderia gerar US$ 4,6 bilhões somente na América do Norte com gastos em ingressos, mercadorias e viagens.

Os responsáveis pelos bancos centrais têm justificativa para examinar os possíveis efeitos inflacionários da chegada de uma superestrela global. Em maio do ano passado, quando Beyoncé deu início à sua turnê Renaissance World Tour em Estocolmo, um economista atribuiu um pontinho nos dados de inflação ao show da cantora, já que os fãs viajaram de longe para assistir a primeira apresentação.

Os bancos centrais da Europa começaram a cortar as taxas de juros –ou estão prontos para fazê-lo– já que a inflação desacelerou substancialmente no último ano, colocando suas metas de 2% à vista. Mas há preocupações persistentes de que as pressões inflacionárias não foram eliminadas porque os ganhos de preços dos serviços, que incluem hotéis e restaurantes, são repetidamente mais altos do que o esperado.

Publicidade

“Peculiaridades muito importantes”

A demanda que a Eras Tour cria por quartos de hotel e voos em toda a Europa pode aumentar os preços que alimentam a taxa de inflação de cada país. Os bancos centrais são sensíveis até mesmo a mudanças mínimas nos dados, pois tentam distinguir efeitos pontuais de efeitos duradouros. Se os bancos centrais estiverem preocupados com o fato de a inflação não estar desacelerando como esperado, eles poderão adiar o corte das taxas.

“Todas essas peculiaridades serão muito importantes”, disse Lucas Krishan, estrategista da TD Securities em Londres. Elas podem “confundir o cenário para os bancos centrais que estão tomando essas decisões”.

No mês passado, a taxa de inflação de Portugal acelerou, em parte devido a um salto nos preços dos hotéis em Lisboa “resultante de um grande evento cultural”, disse o escritório de estatísticas do país. Swift se apresentou em Lisboa nos dias 24 e 25 de maio.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O impacto que eventos como a turnê de Swift têm sobre a inflação pode ser atenuado pela capacidade dos economistas do país de prever o efeito de seus shows, de modo que os investidores e outros não se surpreendam com os dados. Os formuladores de políticas do Banco Central Europeu afirmaram que o caminho de volta à inflação de 2% será “acidentado” e que uma temporada de turismo relativamente forte já está embutida em suas previsões.

Porém, Krishan disse que é possível que os shows de Swift em agosto, quando a turnê voltará a Londres, possam aumentar a inflação de serviços no Reino Unido, especialmente porque uma das datas de sua turnê pode coincidir com o dia em que a agência de estatísticas do país registra os dados de preços. Se os preços dos hotéis seguirem o padrão estabelecido quando ela tocou em Liverpool neste mês, a inflação de serviços poderá aumentar em até 0,3 ponto percentual. Dados de inflação mais altos do que o esperado em agosto podem incentivar as autoridades do Banco da Inglaterra a adiar o corte das taxas em setembro, disse Krishan.

Além de gastos com hotel e restaurantes, fãs da cantora Taylor Swift também desembolsam dinheiro para comprar as famosas pulseirinhas da amizade Foto: TABA BENEDICTO/Estadao

“O impacto será mais local do que macro”

Outros analistas são céticos quanto à capacidade da Swift de causar um impacto sísmico que apareça nas estatísticas nacionais.

“É improvável que Taylor Swift afete a política do banco central. É improvável que ela afete a política do governo”, disse George Moran, economista da Nomura. “E não acho que seja uma opção sustentável para o crescimento de um país depender de shows de superestrelas.”

Publicidade

O Barclays previu que a turnê de Swift levaria a um aumento de quase 1 bilhão de libras (US$ 1,3 bilhão) na economia britânica, mas essas sugestões são difíceis de comprovar, disse Moran, porque ninguém sabe o quanto as pessoas estão desviando seus gastos de outras atividades. Mesmo assim, 1 bilhão de libras não seria suficiente para revitalizar a economia estagnada do Reino Unido. Ainda assim, Moran acrescentou que, individualmente, para cidades e determinados setores, a turnê poderia ter um impacto significativo. Quando os ingressos foram colocados à venda no verão passado, as buscas do Airbnb nas cidades-sede aumentaram mais de 300% em média, segundo a empresa. A autoridade da Grande Londres estimou que os oito shows de Swift em Londres gerariam 300 milhões de libras para a economia.

“O impacto será mais local do que macro”, disse Moran. “Taylor Swift é obviamente um fenômeno enorme, e as áreas que ela está visitando estão causando um grande burburinho no setor de hospitalidade.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.