‘Terei prazer em atender pedido de Lula para nomear Pochmann’, diz Tebet

Ministra do Planejamento diz que já havia consenso de que presidência do IBGE seria trocada

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, disse que terá prazer em atender ao primeiro pedido pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a nomeação do economista Marcio Pochmann para a presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

PUBLICIDADE

Ela disse que o anúncio feito na quarta-feira pelo ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta, não foi oficial e que ela nunca tinha discutido um nome com Lula. “O ministro Pimenta, não sabendo da reunião que tivemos com o presidente Lula, que ele não havia citado o nome (de Pochmann), anunciou preliminarmente e já está colocado. O nome será oficializado no momento certo, depois da conversa que teremos na semana que vem com o presidente Lula. Acataremos qualquer nome que venha”, disse.

Pochmann é próximo ao PT e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Hoje dá aulas na Unicamp, escola de linha econômica majoritariamente heterodoxa. Também foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) entre o fim do segundo mandato de Lula e o começo do primeiro de Dilma Rousseff.

Ministra diz que já havia sido informada sobre uma indicação pessoal de Lula para o IBGE Foto: Sebastiao Moreira/EFE

Tebet relatou que já havia um consenso entre o Planejamento e o Planalto da necessidade de trocar o presidente do IBGE no momento oportuno, e que essas conversas se intensificaram há 15 dias, quando ela manteve contato mais constante com os ministros Rui Costa (Casa Civil) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais).

Os dois também confirmaram a indicação de Pochmann à ministra. “Fui avisada há alguns dias que o presidente da República teria um nome e gostaria de fazer uma escolha pessoal em relação à presidência do IBGE. O presidente Lula não me fez nenhum pedido até hoje, dentro do ministério ou fora. Diante disso, nada mais justo, óbvio, que atender o presidente Lula independentemente do nome que ele apresentaria, que ele ainda não havia me apresentado”, relatou a jornalistas ao chegar a uma reunião no Ministério da Fazenda.

A indicação de Pochmann foi amplamente criticada pelo mercado. O economista Edmar Bacha, que presidiu o IBGE na década de 80, disse que se sentia ofendido pela decisão.
“Pochmann é um ideólogo. Tem uma visão totalmente ideológica da economia. E não terá problema de colocar o IBGE a serviço dessa ideologia, como fez no Ipea [Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada]. Estou ofendido como ex-presidente do IBGE”, afirmou Bacha, que também participou da elaboração do Plano Real.

A economista Elena Landau engrossou o coro contra Pochmann. “É um dia de luto para estatística brasileira”. “Uma pessoa que não entende de estatística, não tem preparo para a presidência do IBGE e não tem nada a ver com a linha da equipe econômica do Ministério do Planejamento. É uma posição partidária pura e absoluta.”

Publicidade

Tebet disse, no entanto, que vai se reunir com Pochmann na semana que vem e quer ouvi-lo, a despeito das críticas de que ele é alvo. “Não faço o prejulgamento, porque eu já fui muito prejulgada na minha vida profissional e política. Eu vou ouvi-lo primeiro”, disse.

Após essa reunião, deverá ser marcado para o “momento oportuno” a oficialização da nomeação de Pochmann para o cargo de presidente do instituto. Atualmente, o comando do IBGE é ocupado pelo diretor de pesquisa, Cimar Azeredo, que teve o trabalho técnico na condução do Censo elogiado pela ministra.