Publicidade

Tesla: lucro cai 55% no primeiro trimestre em meio a queda nas vendas de carros elétricos

Lucro líquido da empresa foi de US$ 1,13 bilhão de janeiro a março, ante US$ 2,51 bilhões no mesmo período do ano anterior; Musk sinalizou possível antecipação de carros mais baratos

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O lucro líquido da Tesla no primeiro trimestre despencou 55%, mas o preço de suas ações disparou nas negociações pós-mercado na terça-feira, 23, com o anúncio da empresa de que irá acelerar a produção de novos veículos mais acessíveis. A companhia com sede em Austin, no Texas, informou ter obtido US$ 1,13 bilhão de janeiro a março, em comparação com US$ 2,51 bilhões no mesmo período do ano anterior.

PUBLICIDADE

A Tesla relatou que a receita do primeiro trimestre foi de US$ 21,3 bilhões, uma queda de 9% em relação ao ano passado, à medida que as vendas mundiais caíram quase 9% devido ao aumento da concorrência e à desaceleração da demanda por veículos elétricos. Excluindo itens únicos, como compensação baseada em ações, a Tesla obteve 45 centavos por ação, ficando aquém das estimativas dos analistas de 49 centavos, de acordo com a FactSet.

A margem de lucro bruto da empresa, porcentagem da receita que ela mantém após despesas, caiu novamente, para 17,4%. Um ano atrás, estava em 19,3% e atingiu o pico de 29,1% no primeiro trimestre de 2022.

Investidores e analistas estavam buscando sinais de que a Tesla tomará medidas para conter a queda de suas ações neste ano e aumentar as vendas. A empresa fez isso em uma carta aos investidores na terça-feira, dizendo que a produção de modelos menores e mais acessíveis começará antes do previsto.

Tesla teve receita de US$ 21,3 bilhões no primeiro trimestre, queda de 9% em relação ao ano passado; vendas mundiais caíram devido ao aumento da concorrência.  Foto: Peter Cziborra/Reuters

Os modelos menores, que aparentemente incluem o Model 2, um carro pequeno que se espera custar cerca de US$ 25 mil, utilizarão bases de veículos de nova geração e algumas características dos modelos atuais. A empresa afirmou que ele será construído nas mesmas linhas de produção que seus produtos atuais. Em uma teleconferência com analistas, o CEO Elon Musk disse esperar que a produção comece no segundo semestre do próximo ano, “se não no final deste ano”.

Musk disse que não serão necessárias novas fábricas ou grandes linhas de produção para os novos veículos. “Essa atualização pode resultar em menos redução de custos do que o esperado anteriormente, mas nos permite aumentar prudentemente nossos volumes de veículos de maneira mais eficiente em termos de investimento durante tempos incertos”, disse a carta aos investidores.

No entanto, Musk não forneceu muitos detalhes sobre quais serão os novos veículos e se serão variantes dos modelos atuais. “Acho que já dissemos tudo o que vamos dizer sobre isso”, disse a um analista. Ele também disse esperar que a Tesla venda mais veículos este ano do que os 1,8 milhão do ano passado.

Publicidade

A empresa também parece estar contando com um veículo construído para ser um robô-táxi totalmente autônomo como catalisador para o crescimento futuro dos lucros. Musk disse que o robô-táxi será revelado em 8 de agosto.

As ações da Tesla subiram 11% nas negociações após o fechamento na terça-feira, mas caíram mais de 40% este ano. O índice S&P 500 subiu cerca de 5% no ano. Seth Goldstein, analista da Morningstar, disse que a empresa forneceu orientações sobre seu futuro de forma mais clara do que no passado, dissipando preocupações dos investidores sobre a produção do Model 2 e o crescimento futuro.

“Acredito que, por ora, é provável que vejamos as ações se estabilizando”, disse ele. “Acredito que a Tesla forneceu uma perspectiva hoje que pode fazer os investidores se sentirem mais seguros de que a administração está corrigindo o curso.” Mas, se as vendas caírem novamente no segundo trimestre, as orientações serão descartadas e as preocupações retornarão, disse ele.

Redução de preços

No fim de semana, a Tesla reduziu US$ 2 mil do preço dos Modelos Y, S e X nos EUA e fez cortes em outros países, incluindo a China, à medida que o crescimento das vendas globais de veículos elétricos desacelerou. Também reduziu o custo do sistema “Full Self Driving” em um terço, para US$ 8 mil.

PUBLICIDADE

A Tesla também anunciou na semana passada que iria reduzir 10% de seus 140 mil funcionários, e o Diretor Financeiro Vaibhav Taneja disse na terça-feira que os cortes serão em todos os setores. Segundo Taneja, empresas em crescimento acumulam duplicidades que precisam ser podadas como uma árvore para continuar crescendo.

Robô-táxi

Musk vem promovendo o robô-táxi como um catalisador de crescimento para a Tesla desde que o hardware para isso foi lançado no final de 2015. Em 2019, Musk prometeu uma frota de robô-táxis autônomos até 2020 que trariam renda aos proprietários da Tesla e valorizariam seus carros. Em vez disso, houve reduções de preço, pois os robô-táxis autônomos foram adiados ano após ano enquanto são testados pelos proprietários e a empresa coleta dados.

Nem Musk nem outros executivos da Tesla na teleconferência de terça-feira especificaram quando esperam que os veículos da Tesla dirijam tão bem quanto os humanos. Em vez disso, Musk promoveu a última versão do software de direção autônoma da Tesla - que a empresa rotula de forma enganosa como “Full Self Driving” (direção totalmente autônoma), apesar de ainda precisar de supervisão humana - e disse que “é apenas uma questão de tempo até ultrapassarmos a confiabilidade dos humanos, e não muito tempo”.

Publicidade

Não demorou muito para que o CEO da Tesla começasse a falar sobre a possibilidade de ativar capacidades de autocondução para milhões de veículos da Tesla de uma só vez, embora novamente sem estimar quando isso realmente poderia ocorrer. Ele prosseguiu insistindo que “se alguém não acredita que a Tesla vai resolver a autonomia, acho que não deveria ser um investidor na empresa”. / AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.