PUBLICIDADE

Campanha contra mim promoveu uma falsa narrativa de incompetência, diz ex-reitora de Harvard

Em artigo, Claudine Gay, que renunciou ao cargo nesta semana, reage a críticas, reconhece erros e adverte: ‘( há uma) guerra mais ampla para destruir a fé pública nos pilares da sociedade americana’

Por Claudine Gay
Atualização:

Na terça-feira, tomei a decisão dolorosa, mas necessária, de renunciar ao cargo de presidente de Harvard. Durante semanas, tanto eu quanto a instituição à qual dediquei minha vida profissional estivemos sob ataque. Meu caráter e minha inteligência foram contestados. Meu compromisso com a luta contra o antissemitismo foi questionado. Minha caixa de entrada foi inundada com invectivas, inclusive ameaças de morte. Fui chamada da “palavra com N” mais vezes do que gostaria de contar.

PUBLICIDADE

Minha esperança é que, ao deixar o cargo, eu negue aos demagogos a oportunidade de usar minha presidência como arma em sua campanha para minar os ideais que animam Harvard desde sua fundação: excelência, abertura, independência, verdade.

Ao me despedir, devo dizer algumas palavras de advertência. A campanha contra mim foi mais do que sobre uma universidade e um líder. Essa foi apenas uma única escaramuça em uma guerra mais ampla para destruir a fé pública nos pilares da sociedade americana. Campanhas desse tipo geralmente começam com ataques à educação e à especialização, porque essas são as ferramentas que melhor equipam as comunidades para enxergar a propaganda. Mas essas campanhas não terminam aí. Instituições confiáveis de todos os tipos - de agências de saúde pública a organizações de notícias - continuarão a ser vítimas de tentativas coordenadas de minar sua legitimidade e arruinar a credibilidade de seus líderes. Para os oportunistas que alimentam o cinismo em relação às nossas instituições, nenhuma vitória ou líder derrubado esgota seu zelo.

Claudine Gay renunciou ao cargo em Harvard nesta semana Foto: REUTERS/Ken Cedeno - 5/12/2023

Sim, eu cometi erros. Em minha resposta inicial às atrocidades de 7 de outubro, eu deveria ter afirmado com mais veemência o que todas as pessoas de boa consciência sabem: o Hamas é uma organização terrorista que busca erradicar o Estado judeu. E em uma audiência no Congresso no mês passado, caí em uma armadilha bem montada. Deixei de articular claramente que os apelos ao genocídio do povo judeu são abomináveis e inaceitáveis e que eu usaria todas as ferramentas à minha disposição para proteger os alunos desse tipo de ódio.

Mais recentemente, os ataques se concentraram em minha formação acadêmica. Meus críticos encontraram casos em meus escritos acadêmicos em que alguns materiais duplicavam a linguagem de outros acadêmicos, sem a devida atribuição. Acredito que todos os acadêmicos merecem crédito total e apropriado por seu trabalho. Quando tomei conhecimento desses erros, solicitei prontamente correções às revistas em que os artigos sinalizados foram publicados, de acordo com a forma como vi casos semelhantes de professores serem tratados em Harvard.

Nunca deturpei os resultados de minha pesquisa nem reivindiquei crédito pela pesquisa de outros. Além disso, os erros de citação não devem obscurecer uma verdade fundamental: defendo com orgulho meu trabalho e seu impacto no campo.

Apesar do escrutínio obsessivo dos meus escritos revisados por pares, poucos comentaram sobre a essência da minha pesquisa, que se concentra na importância da ocupação de cargos por minorias na política americana. Minha pesquisa reuniu evidências concretas para mostrar que, quando comunidades historicamente marginalizadas ganham uma voz significativa nos corredores do poder, isso sinaliza uma porta aberta onde antes muitos viam apenas barreiras. E isso, por sua vez, fortalece nossa democracia.

Publicidade

Ao longo desse trabalho, fiz perguntas que não haviam sido feitas, usei métodos de pesquisa quantitativa de ponta e estabeleci uma nova compreensão da representação na política americana. Esse trabalho foi publicado nas principais revistas de ciência política do país e deu origem a importantes pesquisas de outros acadêmicos.

Nunca imaginei que precisaria defender uma pesquisa com décadas de existência e amplamente respeitada, mas as últimas semanas acabaram com a verdade. Aqueles que, desde o outono, fizeram uma campanha implacável para me destituir, muitas vezes usaram mentiras e insultos ad hominem, não argumentos fundamentados. Reciclaram estereótipos raciais ultrapassados sobre o talento e o temperamento dos negros. Eles promoveram uma falsa narrativa de indiferença e incompetência.

Não é por acaso que sou a tela ideal para projetar todas as ansiedades sobre as mudanças geracionais e demográficas que estão ocorrendo nos câmpus americanos: uma mulher negra selecionada para dirigir uma instituição histórica. Alguém que vê a diversidade como uma fonte de força e dinamismo institucional. Alguém que defendeu um currículo moderno que abrange desde a fronteira da ciência quântica até a história há muito negligenciada dos asiático-americanos. Alguém que acredita que uma filha de imigrantes haitianos tem algo a oferecer à universidade mais antiga do país.

Eu ainda acredito nisso. Ao voltar a lecionar e a estudar, continuarei a defender o acesso e as oportunidades, e trarei para o meu trabalho a virtude que discuti no discurso que proferi em minha posse presidencial: coragem. Porque foi a coragem que me impulsionou durante toda a minha carreira e é a coragem necessária para enfrentar aqueles que procuram minar o que torna as universidades únicas na vida americana.

PUBLICIDADE

Tendo visto agora a rapidez com que a verdade pode se tornar uma vítima em meio à controvérsia, gostaria de pedir uma cautela mais ampla: em momentos de tensão, cada um de nós deve ser mais cético do que nunca em relação às vozes mais altas e extremas de nossa cultura, por mais bem organizadas ou bem conectadas que sejam. Com muita frequência, elas estão buscando agendas egoístas que deveriam ser enfrentadas com mais perguntas e menos credulidade.

Os câmpus universitários de nosso país devem continuar sendo locais onde os alunos possam aprender, compartilhar e crescer juntos, e não espaços onde as batalhas por procuração e a arrogância política criem raízes. As universidades devem continuar sendo locais independentes, onde a coragem e a razão se unem para promover a verdade, independentemente das forças que se opõem a elas. /THE NEW YORK TIMES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.