‘Prêmio de Pior Aluno’: USP afasta professor após estudantes denunciarem assédio moral

Docente é aposentado, mas tinha permissão para continuar ministrando aulas; ele ficará afastado até o episódio ser investigado. Ele disse ter se desculpado com a aluna pela atitude ‘equivocada e muito infeliz’

PUBLICIDADE

Foto do author Giovanna Castro
Por Giovanna Castro
Atualização:

Um professor do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP) foi afastado na semana passada após alunos da universidade denunciarem um suposto caso de assédio moral. O episódio teria ocorrido durante uma aula de Geologia Geral para o primeiro ano de bacharelado do curso. O docente Joel Barbujiani Sigolo teria chamado uma estudante até a frente da sala de aula para receber um “prêmio de pior aluno” da turma e utilizado termos “jocosos” para se referir a ela.

Instituto de Geociências da USP fica no câmpus Butantã, na zona oeste da capital paulista. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

PUBLICIDADE

De acordo com uma nota de repúdio divulgada pelo Centro Acadêmico do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, o professor decidiu premiar, com livros de sua autoria sobre geologia, os dois alunos da turma que tiveram o melhor desempenho em sua disciplina.

Em seguida, chamou uma aluna que teve baixo desempenho para ir até a frente da sala e receber o “prêmio de pior aluno”, que seria um livro de poesias, também de autoria do professor.

Após a estudante se negar repetidas vezes a levantar e receber o prêmio, o professor teria utilizado termos “jocosos” para se referir a ela e lido um trecho do livro em voz alta.

De acordo com o centro acadêmico, a aluna em questão precisou se ausentar de atividades acadêmicas por problemas de saúde, o que acabou impactando a sua nota. Os estudantes argumentam que a atitude do professor feriu o código de ética da universidade.

Em nota, a diretoria do Instituto de Geociências da USP disse: “Foi com consternação e pesar que recebemos uma nota de repúdio redigida por alunos do IGc e de outros institutos do baixo Matão. A nota dá ciência de grave ocorrido em sala durante uma das aulas do primeiro ano do Bacharelado em Geologia. Os fatos narrados são tristes, desrespeitosos e aviltantes e não coadunam, de maneira alguma, com a filosofia da gestão recém-iniciada”.

“Esclarecemos que o docente envolvido está aposentado, porém ativo via adesão ao quadro permissionário previsto no estatuto da USP. Ressaltamos que o docente será afastado de todas as atividades em sala de aula até que a situação seja melhor averiguada. Se confirmados os fatos, serão adotadas as sanções cabíveis ao caso à luz do que preconiza a jurisprudência universitária”, afirmou o Instituto.

Publicidade

Em nota enviada à reportagem, o professor disse ter apresentado à aluna “meu pedido da mais sincera e profunda desculpa”. “A entrega à estudante de um livro de poesias como forma de premiação negativa em relação a sua performance acadêmica foi de minha parte uma atitude equivocada e muito mas muito infeliz além de mal colocada de minha parte que gerou constrangimento para ela e para os colegas presentes.”

“Em momento nenhum tive intenção de magoar ou vilipendiar a estudante ou seus colegas. Peço, assim minhas mais sinceras e profundas desculpas a aluna por tê-la ferido em sua dignidade humana”, reforçou. O professor disse ter aprendido “com esse episódio lição de vida muito importante sobre ética e humanidade entendendo que tal procedimento não pode e não será repetido jamais”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.