PUBLICIDADE

Quanto a educação piorou na pandemia? Entenda dados do exame do MEC

É preciso cautela para analisar os dados do Saeb divulgados nesta sexta; boa parte dos alunos mais pobres ficou fora da avaliação federal

Por Ernesto Faria, Lecticia Maggi e Rosalina Soares
Atualização:

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, nesta sexta-feira, 16, dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e também do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2021, o principal indicador de qualidade da educação brasileira. Pela primeira vez desde o início da pandemia, temos informações oficiais e em um nível nacional sobre a aprendizagem dos estudantes no período. Como já era esperado, elas não são nada boas.

As crianças brasileiras em fase de alfabetização foram as que registraram a maior queda de desempenho: a média delas no 2º ano do ensino fundamental no Saeb, em Língua Portuguesa, passou de 750, em 2019, para 725,5, uma queda de 24,5 pontos. Em 2019, o País tinha 15,4% dos estudantes abaixo do nível 3 de aprendizagem nessa disciplina, ante 33,8% em 2021.

PUBLICIDADE

Chama a atenção também o aumento muito preocupante de alunos no pior nível da escala (abaixo de 1): de 4,6% para 14,4%. Estar abaixo do nível três significa que o aluno não consegue “ler frases com período simples, na ordem direta e na voz ativa”, por exemplo.

Já estar abaixo do nível 1 quer dizer que eles não sabem sequer “relacionar sons consonantais aos seus registros escritos em início de palavra ditada” e “relacionar o som de sílaba inicial de palavra dissílaba”.

Em Matemática, no 2º ano, a queda foi de 9 pontos (de 750 para 741). O percentual de alunos abaixo do nível 3 passou de 15,9% para 22,4%. Quem está abaixo desse patamar, não consegue “reconhecer um círculo em uma composição com outras figuras geométricas planas” e “identificar, na imagem de um calendário, o dia da semana em que se comemora uma data indicada”.

No 5º ano, em Matemática, a média dos estudantes no Saeb passou de 228, em 2019, para 217, em 2021. Isto é, próxima de um ano de aprendizagem a menos. Em Língua Portuguesa, a queda foi de 215 para 208, meio ano de aprendizagem. Esses números não chegam exatamente a surpreender, já que o Brasil tem uma dificuldade histórica com o ensino de Matemática.

Minitestes aplicados pelo Iede a uma amostra de estudantes do 5º e 9º ano, de 14 redes de ensino, no final de 2021, trouxe resultados nessa mesma linha: queda maior de aprendizagem no 5º ano e em Matemática.

Publicidade

No 9º ano do Ensino Fundamental, a média dos estudantes em Língua Portuguesa caiu dois pontos; em Matemática, sete. No 3º ano do Ensino Médio, as quedas foram de três e também sete pontos, respectivamente. Entre todas as etapas avaliadas, o Ensino Médio foi o que registrou a menor taxa de participação dos estudantes: só 61,4% dos previstos de fato fizeram as provas do Saeb (queda de 19% em relação a 2019, quando a participação foi de 75,6%).

Isso é muito importante pois quer dizer que, provavelmente, uma parcela dos jovens mais vulneráveis, que teve pouco contato com a escola durante a pandemia e que se supõe que teria desempenho mais baixo, ficou de fora. Assim, com uma taxa de participação maior, possivelmente os índices seriam piores. De maneira geral, a taxa de participação é um ponto de atenção: em 2021, 71,3% dos estudantes previstos fizeram as provas do Saeb contra 81,1% em 2019.

Retomada dos alunos às escolas foi marcada por uma série de medidas sanitárias Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Mesmo com esse impacto grande na aprendizagem, revelado pelas quedas significativas nas médias do Saeb, o Ideb do País só variou 0,1 ponto nos anos iniciais: de 5,9, em 2019, para 5,8, em 2021. E por quê isso? Além das taxas de participação mais baixas no Saeb, a explicação está principalmente nas taxas de aprovação elevadas dos estudantes, que, junto às médias no Saeb, compõem o resultado do Ideb.

Em razão de todo o cenário de 2020, o Conselho Nacional de Educação (CNE) recomendou, na ocasião, a flexibilização e a conexão dos currículos de 2020 e 2021, readequando os critérios de avaliação de modo a evitar a reprovação e o abandono escolar que, muito provavelmente, seriam agravados. Medida adequada e necessária. Em 2021, não houve recomendação do órgão nesse sentido, mas muitos municípios e Estados seguiram adotando a prática. Assim, o indicador de rendimento (taxa de aprovação) subiu de 0,95 para 0,98 nos anos iniciais e, mesmo com queda nas médias (de 6,22 para 5,89), o Ideb não foi tão impactado.

PUBLICIDADE

Devido ao contexto absolutamente atípico vivido pelo Brasil (e o mundo), que impactou os dois indicadores que compõem o Ideb, a comparação desta edição com os resultados anteriores está prejudicada e a nosso ver não deve ser realizada. Neste ano tão importante de eleições, a mensagem aos próximos governantes é clara: precisamos priorizar a Educação, investir em políticas com foco em alfabetização e garantir um acompanhamento contínuo dessa geração de estudantes, em especial os que estavam no 2° ano em 2021, para que não tenham seu futuro ainda mais comprometido.


Ernesto Martins Faria, diretor-fundador do Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede)

Publicidade

Lecticia Maggi, gerente de comunicação no Iede

Rosalina Soares, gerente de Avaliação na Fundação Roberto Marinho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.