Garcia coloca diretor do Bandeirantes como secretário de educação de SP

Hubert Alquéres foi secretário executivo da pasta na gestão de Mario Covas e tem mais trânsito no PSDB

PUBLICIDADE

Foto do author Renata Cafardo
Por Renata Cafardo
Atualização:

O diretor do Colégio Bandeirantes Hubert Alquéres será o novo secretário de Educação do Estado de São Paulo.  A mudança foi decidida nesta terça-feira, 31, pelo governador Rodrigo Garcia (PSDB) e será publicada em breve no Diário Oficial. Atualmente, a pasta é dirigida por Renilda Peres de Lima, que era adjunta de Rossieli Soares, que deixou o cargo para se candidatar a deputado federal.

Alquéres tem mais trânsito no PSDB e ocupa cargos há decadas em gestões tucanas no Estado. Foi secretário executivo de Educação durante o governo Mario Covas (1995-2002), quando a secretária era Rose Neubauer, e o governo enfrentou uma das maiores greves de professores da categoria. Foi ainda secretário de Comunicação na gestão José Serra (2007) e presidente do Conselho Estadual de Educação por quatro mandatos. Atualmente é presidente da Câmara de Ensino Superior.

Hubert Alqueres seráo novosecretário de educação de SP Foto: Governo do Estado de São Paulo

PUBLICIDADE

Segundo o Estadão apurou, o próprio Rossieli articulou a mudança para dar mais visibilidade para a pasta, considerada importante para ser uma das vitrines da campanha de Garcia. A secretaria da educação tem investido em ampliação das escolas em tempo integral e na carreira do professor. Alquerés esteve próximo de Rossieli durante as conversas com as escolas particulares nas decisões sobre abertura, nos últimos dois anos por causa da pandemia de covid.

Ex-professor da Escola Politécnica da USP, ele também presidiu a Imprensa Oficial do Estado e foi secretário-geral de Administração na Assembleia Legislativa do Estado. Desde 2002, é diretor do Colégio Bandeirantes, um dos mais tradicionais da elite paulistana.

Em nota, o governador dissde que "Renilda desempenhou um brilhante papel". E que o trabalho dela foi crucial para que  São Paulo pudesse multiplicar o número de escolas de tempo integral.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.