Cidade na Itália pagará até 30 mil euros para novos moradores

As casas à venda foram abandonadas por seus proprietários originais e poderão ser adquiridas por cerca de 25 mil euros na Região da Puglia, no sul da Itália

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

ANSA - Em uma tentativa de aumentar a população, a cidade de Presicce, na região da Puglia, está oferecendo uma doação de até 30 mil euros (cerca de R$160 mil) para quem comprar uma casa e fixar residência no território localizado ao sul da Itália.

PUBLICIDADE

A iniciativa, batizada de “Bem-vindo a Presicce-Acquarica”, dará uma contribuição financeira para cobrir 50% dos custos da aquisição de um imóvel, incluindo reformas, na cidade na província de Lecce.

As casas à venda, bem como outras propriedades na Itália, foram abandonadas por seus proprietários originais e poderão ser adquiridas por cerca de 25 mil euros. Pelo menos 30% dos imóveis residenciais da cidade são elegíveis para a negociação.



Segundo as autoridades locais, o bônus adicional é a localização incrível, cercada pela natureza da área do calcanhar da bota da Itália e perto das praias de areia branca e águas azul-turquesa de Santa Maria di Leuca.

Presicce-Acquarica - duas cidades de Presicce e Acquaria del Capo fundidas em um só município - está situada em uma área conhecida como Salento. Sua praça principal conta com uma igreja branca, adornada com uma decoração escultural em espiral, enquanto as ruas são pavimentadas em mármore branco.

Considerada como uma das “vilas mais bonitas” da Itália por sua arquitetura barroca e grandes palácios, a cidade luta também para combater o envelhecimento da população - no ano passado, foram registrados 60 nascimentos em comparação com 150 mortes -, com a doação de mil euros para cada recém-nascido.

Até agora, Presicce e Acquarica acumulam juntas cerca de 9 mil habitantes, mas apenas metade da população vive na parte mais velha da comunidade.

Publicidade

Os detalhes do acordo ainda estão sendo finalizados, mas a prefeitura lançará as informações nas próximas semanas, em seu site oficial.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.