PUBLICIDADE

Beyoncé chegou a Salvador com look de estilista brasileira; conheça história dela e preço da roupa

Patricia Bonaldi, empresária mineira por trás da marca de roupas PatBo, estava ‘jogada’ no sofá quando descobriu que a cantora chegou ao Brasil com seu conjunto jeans bordado - que está à venda também para ‘mortais’

Foto do author Gabriela Piva
Por Gabriela Piva
Atualização:
Foto: Reprodução/Instagram/@patriciabonaldi
Entrevista comPatricia BonaldiEstilista e empresária

Patricia Bonaldi, a estilista por trás da marca brasileira de roupas PatBo, viu Beyoncé usando um de seus looks pela primeira vez em um show no Canadá. Na ocasião, a empresária mineira criou um body exclusivo com franjas para a cantora.

Agora, Patricia descobriu junto com o público que Beyoncé vestia um de seus looks. Houve um toque especial dessa vez: foi no País onde Patricia nasceu, cresceu e fundou a marca. A empresária também não sabia que a cantora viria a Salvador, na Bahia, para a estreia de seu filme Renaissance: a film by Beyoncé.

Há cerca de duas semanas, a equipe da norte-americana entrou em contato com a assessoria de Patrícia Bonaldi pedindo pelo conjunto jeans da coleção de outono de 2023, que fez parte do desfile da New York Fashion Week. A estilista enviou as peças, mas, no universo da moda, nada é garantido até que a modelo use o look.

“Não me comunicaram que ela usaria no Brasil. A equipe da Beyoncé disse que ela tinha um evento super especial. [Dizendo que] Ela quer esse jeans e [perguntando] se a gente está ok em mandar esse look para ela”, comentou Patrícia ao Estadão.

O look inteiro está à venda em sua loja no Brasil. Contudo, apenas a jaqueta, que custa R$ 9998, está disponível para compra. O top custa R$ 2998; a calça, R$ 2498. Veja:

Look jeans bordado da PatBo esteve no desfile da marca na New York Fashion Week Foto: Divulgação/BFA

Com o look enviado, a surpresa de Patrícia aconteceu quando Beyoncé desceu de seu jatinho de R$ 354 milhões na quinta-feira, vestindo o conjunto jeans da PatBo, em Salvador, na Bahia. A brasileira só descobriu a sua conquista no dia seguinte, depois de 12 horas intensas de trabalho. E detalhe: jogada no sofá fuçando as redes sociais.

“Foi muito emblemático, foi muito forte. As pessoas piraram, eu pirei! Sabe, foi um dia super estressante... Comecei [a trabalhar] às oito da manhã, parei às oito da noite e eu me joguei no sofá. E aí eu vi pelo WhatsApp, pelo Instagram. Falei: ‘Meu Deus!’. Nem parecia que era comigo, sabe?”, comentou ela ao Estadão.

Publicidade

Desde então, sua rotina com agenda para entrevistas nacionais e internacionais se intensificou. O responsável por isso? O efeito Beyoncé. “É algo fora do da curva. Em um mundo tão polarizado, ela é uma unanimidade. Isso que faz esse momento ser tão especial, porque quase todo mundo em torno dela concorda que ela é incrível e que o que ela faz é incrível”, comentou.

Beyoncé na porta de seu avião Foto: Reprodução/Instagram/@a

Os jeans do look de Beyoncé são bordados com cristais da cor do tecido. Isso fez total sentido com o conceito do desfile da New York Fashion Week, no qual a peça foi apresentada, que era inspirado no trabalho manual.

“[Na Nova York Fashion Week] Encontrei uma oportunidade muito legal de mostrar e contar um pouco do trabalho que a gente faz em Uberlândia. Tenho uma escola de bordados há mais de 15 anos. A gente forma mulheres e ensina elas a fazerem esses tipos de trabalho manuais. E eu achava muito oportuno mostrar através do desfile esse tipo de trabalho, contar essa história”, contou Patrícia.

Quem é Patrícia Bonaldi?

A carreira de Patrícia Bonaldi começou em 2002 e não foi meteórica, garante ela. Nascida em Uberlândia, em Minas Gerais, ela é filha de uma dona de casa e de um dentista. De classe média baixa, a estilista entendeu desde cedo que os estudos a salvariam.

PUBLICIDADE

Só que, quando estava para entregar sua monografia em Direito, a sua loja de roupas fazia um sucesso absoluto na cidade. Com o sonho de ser juíza, ela abandonou a carreira jurídica para focar na própria marca.

A grande inspiração dessa paixão pela moda é sua mãe. Desde que ela era criancinha, a mãe de Patricia a levava para uma loja de tecidos ampla e cheia de opções em Uberlândia. Lá, a estilista montou suas primeiras peças. “Era a minha Disney”, descreveu.

“Minha mãe me deixava escolher os tecidos. Tinha o estilista que desenhava as roupas e eu ficava na fila esperando para interagir com ele. Eu falava para ele o que eu queria, [depois ia para] a loja de pedrarias do lado. Foi [assim que começou] a minha relação com a roupa. Ela sempre partiu da matéria-prima, do tecido e nunca da roupa pronta”, contou.

Publicidade

Antes de estourar internacionalmente, Patrícia destaca que a construção de sua carreira foi feita de etapas importantes. Uma delas teria sido quando abriu a primeira loja em São Paulo; a outra, quando deixou de fazer só roupa de festa; uma terceira, ao iniciar a exportação de suas peças.

“Falo que a minha vida é igual a um videogame: você vai achando as chaves e não tem jeito de passar de fase sem encontrar a chave dessa. A vida, para mim, é bem isso”, analisa sobre sua trajetória até a carreira internacional.

História vai e história vem, é internacionalmente onde Patricia mais vê mais chance de expansão de mercado, sem nunca tirar o olho do Brasil. Lá fora, ela já vestiu Jennifer Lopez, Camila Cabello e criou um body exclusivo para um show de Beyoncé no Canadá (veja acima). Ela ainda sonha ver Dua Lipa e Miley Cyrus usando suas peças.

“O que vejo é o aumento da nossa presença no mercado internacional. Acho que lá a gente só começou e tem muito ainda para construir, muitas histórias para contar. Ainda tem um caminho internacionalmente muito bonito para ser desenvolvido”, falou Patrícia, sem diminuir a importância do Brasil.

Patricia ainda deixa um conselho para as próximas gerações de estilistas: nunca perder a sua essência. “Quando olho para os looks que a Beyoncé usou, vejo a PatBo de 20 anos atrás, a minha essência. Ser fiel ao que você acredita pode te levar longe”, finalizou a estilista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.