Publicidade

Em apenas um treino, Ganso vira ''o cara''

Com posicionamento correto, passes precisos e muita movimentação, meia mostra que pode ser o maestro da seleção

PUBLICIDADE

Por Paulo Galdieri e Silvio Barsetti
Atualização:

LOS CARDALESCinco dias após desembarcar na Argentina, a seleção brasileira começa a mostrar com que cara disputará a Copa América. E Paulo Henrique Ganso já demonstrou por que o técnico e até companheiros mais experientes depositam nele tanta confiança.No primeiro treino em que Mano esboçou a formação que deve ser a titular na estreia da competição, foi o meia do Santos quem se destacou. Com passes precisos, posicionamento e bastante movimentação, Ganso se comportou como o maestro que a seleção espera que ele seja.Em pouco mais de 50 minutos, o meia santista deu três passes precisos para os atacantes e participou do gol de Neymar - o time titular venceu os reservas por 2 a 0, com o zagueiro Thiago Silva marcando o segundo gol.A atuação de Ganso reforçou a ideia de que ele é um dos alicerces do Brasil, como pensa Mano. Com ele no time, o técnico pode repetir a formação com a qual estreou na seleção, no amistoso diante dos EUA, em agosto do ano passado, quando escalou um 4-2-3-1, com uma linha de três meias formada por Ganso, centralizado, Robinho (na direita) e Neymar (esquerda) esses abertos pelas pontas, com a função de encostar em Alexandre Pato à frente, mas também com a obrigação de marcar sem a bola. Ganso não precisa marcar tanto.Esse esquema é o que Mano vê como o ideal para a seleção. É o mesmo que ele utilizou em seus dois trabalhos de maior sucesso nos clubes brasileiros - Grêmio, vice da Libertadores de 2007, e Corinthians, campeão paulista e da Copa do Brasil em 2009.Segundo o técnico, o 4-2-3-1 na seleção só é possível graças à presença de Ganso. "Sem ele, a situação é diferente. Quando o time tiver Elano, ele não terá um a mesma posição em campo do que o Ganso."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.