PUBLICIDADE

Publicidade

Grêmio repudia neonazistas

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Mesmo após a identificação de um movimento neonazista infiltrado em uma de suas torcidas, a diretoria do Grêmio, não pretende aumentar a segurança no Estádio Olímpico. ''''O monitoramento de torcedores continuará sendo feito principalmente por câmeras, come sempre tem sido feito. Não vai haver mudança, por enquanto'''', garantiu, ontem, o chefe de segurança do clube, coronel Nelson Rodrigues. A vigilância é feita por duas equipes de quatro pessoas cada, que operam duas câmeras internas e 60 externas. Na terça-feira, a Polícia Militar do Rio Grande do Sul prendeu três skinheads suspeitos de esfaquear um rapaz após o Gre-Nal do dia 16 de setembro. O delegado Paulo César Jardim, da 1ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, disse que encontrou, na internet, imagens torcedores portando bandeiras do clube com a suástica no lugar do escudo gremista. Em nota oficial, divulgada ontem, a direção do clube repudiou qualquer ato de preconceito: ''''O Grêmio se sente vítima destes maus torcedores e afirma que disponibilizará os recursos para que todas as medidas legais sejam tomadas''''.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.