PUBLICIDADE

Publicidade

Revezamento da tocha recomeça na China após luto

Artefato parte de Ningbo, cidade onde passaria na última segunda antes da parada por causa do terremoto

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O revezamento da tocha olímpica dos Jogos de Pequim será retomado na quinta-feira na cidade de Ningbo, após três dias de luto nacional pelas vítimas do terremoto em Sichuan, informou a agência de notícias estatal Xinhua. Ningbo, na extremidade sul do delta do rio Yangtze, receberia a tocha de acordo com a agenda original na segunda-feira, antes de o revezamento ter sido interrompido. Não há referência na reportagem sobre como os organizadores pretendem recuperar os três dias perdidos na programação do revezamento da tocha, que tem chegada prevista a Pequim dois dias antes da abertura dos Jogos, em 8 de agosto. Autoridades do Comitê Organizados dos Jogos Olímpicos de Pequim (Bocog) não estavam disponíveis para comentar. O maior revezamento da tocha na história da Olimpíada enfrentou problemas ao redor do mundo, com manifestações contra a China em cidades como Londres e Paris e o clima ruim atrasando a escalada ao topo do Monte Everest. No final, entretanto, não foram os protestos pela liberdade no Tibete nem a neve no Himalaia que parou a chama olímpica, mas sim o terremoto que matou pelo menos 40.000 pessoas. Os organizadores inicialmente haviam decidido proceder o revezamento como planejado, realizando um minuto de silêncio diariamente antes de cada dia, mas no domingo eles anunciaram que o processo seria "colocado em espera" de segunda a quarta-feira. A cidade de Jiaxing, também na Província de Zhejian, vai receber a chama após Ningbo e, se a escala original for mantida, a chama depois passará dois dias em Xangai.  

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.