Publicidade

O primeiro desafio de peso do Santos a caminho do tetra na Libertadores

Time precisa reverter vantagem diante do Vélez e conta mais do que nunca com o talento de Neymar

PUBLICIDADE

Por Sanches Filho
Atualização:

SANTOS - O Santos vai precisar que Neymar volte a ser Neymar, depois da apagada atuação em Buenos Aires, para despachar o Vélez Sarsfield, da Argentina,  nesta quinta-feira, 24, às 20h, na Vila Belmiro, e avançar às semifinais da Libertadores. Ganso fará artroscopia no joelho direito amanhã e ficará 25 dias em recuperação, mas vai jogar. A partida de hoje é o primeiro grande desafio a ser superado pelo tricampeão paulista na competição sul-americana deste ano. Como perdeu por 1 a 0 no jogo de ida, será necessário vencer por 2 a 0 para ficar com a vaga. Em caso de vitória por 1 a 0, a decisão será nos pênaltis. A situação é difícil, mas a classificação continua ao alcance do time que tem Neymar, Ganso e Arouca. O que não se pode imaginar é uma resposta semelhante à que foi dada ao Bolívar nas oitavas, com a acachapante vitória por 8 a 0 na Vila Belmiro. Agora, a situação é bem mais difícil porque equipes argentinas sabem como se comportar como visitantes, são especialistas na marcação e em cadenciar o jogo, com troca de passes, principalmente quando estão na frente no marcador, como hoje. "O Vélez é o melhor time da Argentina na atualidade porque mantém o técnico e alguns jogadores há muito tempo", analisou Muricy Ramalho após o treino de ontem à tarde. A entrevista dele ontem durou apenas nove minutos e foi a de menor duração desde a sua chegada ao clube. Muricy estava irritado com o vazamento do procedimento cirúrgico a que Ganso será submetido e com a assessoria de imprensa, que abriu o portão do CT Rei Pelé para os jornalistas antes que ele comandasse treino secreto. Ontem houve enorme confusão na venda pela internet dos 5 mil ingressos destinados aos sócios do clube, o que indica que o torcedor vai lotar o estádio e procurar desestabilizar o adversário. Apesar de Maranhão ter se recuperado de leve lesão muscular na coxa direita, Muricy decidiu manter o volante Henrique improvisado na lateral-direita. "O Henrique está jogando bem na posição. Ele marca bem e tem boa noção de cobertura. Como Henrique apóia pouco, o Juan fica com maior liberdade para ir para o ataque", disse o treinador. De resto, o time será o dos últimos jogos, com Alan Kardec ao lado de Neymar no ataque, enquanto Borges segue na reserva. Uma preocupação de Muricy é que a procura do gol se transforme em correria no jogo decisivo de hoje à noite.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.