PUBLICIDADE

Nadal não se aposenta, mas o 663 da ATP vai jogar sem pressão: ‘Espero não esperar nada de mim’

Tenista passou por tratamentos diferentes no quadril, incluindo uma cirurgia, e gerou expectativa até sobre uma possível aposentadoria; entenda a condição do tenista espanhol

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Após confirmar seu retorno ao circuito em Brisbane, Rafael Nadal projetou nesta segunda-feira como será sua volta às competições. O tenista espanhol deixou claro que sua expectativa não é alta. “Espero não esperar nada de mim”, resumiu o ex-número 1 do mundo, em vídeo publicado em suas redes sociais. Nas últimas semanas, Nadal publicou diversos vídeos dos seus treinamentos em quadra, mostrando que o retorno estava próximo. O espanhol era o número dois do mundo quando se afastou do circuito, em janeiro. Agora é o 663º do ranking.

PUBLICIDADE

Aos 37 anos, ele viu Novak Djokovic recuperar o domínio no circuito no período em que esteve fora. O sérvio superou o recorde de 22 títulos de Grand Slam, que pertencia ao espanhol, e agora exibe 24 troféus de Major.

“Espero voltar a sentir as emoções, a empolgação, os medos e as dúvidas. Espero não esperar nada de mim. Espero ter a capacidade de não exigir de mim o que tenho me exigido durante toda a minha carreira. Estou em um momento diferente, uma situação e um terreno inexplorados. Durante minha carreira, sempre me exigi o máximo e espero ser capaz de não fazer isso agora”, declarou, dando a entender que jogará sem compromisso.

Na semana passada, Rafael Nadal anunciou que voltaria a jogar no Torneio de Brisbane, o primeiro ATP 250 da temporada 2024. Na prática, ele completará um ano fora das quadras porque se afastou após se machucar no Aberto da Austrália deste ano, no mês de janeiro. Desde então, passou por tratamentos diferentes no quadril, incluindo uma cirurgia, e gerou expectativa até sobre uma possível aposentadoria.

Rafael Nadal projeta retorno ao circuito um ano após lesão. Foto: Hamish Blair/AP

“Tenho e tive medo de anunciar as coisas porque, no final das contas, fiquei um ano sem competir e tive uma operação no quadril. Mas o que mais me preocupa não é o quadril, mas todo o resto. Acredito que estou preparado e espero que tudo passe bem e que eu possa desfrutar em quadra mais uma vez.”

“Tenho de aceitar que as coisas vão ser muito difíceis no início. Tenho de me dar o tempo necessário e me perdoar se tudo correr de outra forma, o que é uma possibilidade muito grande, sabendo que pode haver um futuro não muito distante em que as coisas podem mudar se eu mantiver o entusiasmo e o espírito de trabalho, e se o físico corresponder”, declarou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.