Publicidade

Rafael Nadal anuncia que não jogará Roland Garros e projeta aposentadoria para 2024: ‘Último ano’

Tenista espanhol ficará fora do torneio de saibro pela primeira vez em sua carreira, por lesão no quadril

PUBLICIDADE

Foto do author Felipe Rosa Mendes
Por Felipe Rosa Mendes
Atualização:

Pela primeira vez em sua carreira, Rafael Nadal não estará em Roland Garros. O tenista espanhol anunciou nesta quinta-feira que não competirá no saibro de Paris neste ano porque ainda não se recuperou de uma lesão no quadril. E avisou que está perto de sua aposentadoria, que projetou para 2024, a exemplo do que fez seu amigo e rival Roger Federer, no passado.

PUBLICIDADE

“Não vou jogar em Roland Garros, não vou jogar por alguns meses e, se eu voltar, ano que vem será meu último ano”, disse Nadal, sem meias palavras. “Não dá para ficar exigindo cada vez mais do corpo, porque em algum momento ele diz ‘até aqui’ e acabou. A partir de agora, vamos ver até quando posso continuar e quando vou parar.”

Nadal, que completará 37 anos no início de junho, vem sofrendo para se recuperar de uma lesão no quadril direito. Ele começou a apresentar dores no local durante o Aberto da Austrália, em janeiro. O ex-número 1 do mundo desistiu do primeiro Grand Slam do ano após a segunda rodada e, desde então, não voltou a competir no circuito. Nesta temporada, foram apenas duas competições - esteve na United Cup antes do Aberto da Austrália.

Rafael Nadal projeta aposentadoria do tênis em 2024. Foto: Miquel Borras/Reuters

Nos últimos meses, passou a ser comum o espanhol vir a público para anunciar a desistência de algum torneio, até mesmo daqueles mais importantes do ponto de vista afetivo, como aconteceu em Barcelona e Madri, nas últimas semanas. Da última vez que se manifestou, no início de maio, indicou que o tratamento não vinha dando certo e indicou que adotaria um novo caminho.

“Estou melhor agora do que há algumas semanas. É melhor que me vejam assim, caso contrário, não daria uma entrevista coletiva”, disse Nadal, em meio a uma concorrida disputa de jornalistas para ouvi-lo, ao lado de seus familiares. “Você pode ficar com raiva, triste, que é o que eu faço, mas no final, posso agradecer por tudo que aconteceu (na minha carreira).”

Nadal nunca havia ficado fora de Roland Garros, torneio que vinha disputando desde 2005, com incríveis 14 títulos em 18 participações. Ele é o dono do recorde de troféus em Paris e nenhum outro tenista da história tem mais títulos num mesmo Grand Slam. No momento, ele divide ainda o recorde de troféus de todos os torneios de nível Major, empatado com o sérvio Novak Djokovic. Ambos somam 22 conquistas.

Até então, o espanhol tinha a edição de 2016 com o menor número de jogos disputados em Paris. Em baixa naquele ano, jogou apenas duas partidas e desistiu antes da terceira, também por conta de problemas físicos. Nadal é o atual campeão de Roland Garros.

Publicidade

INÍCIO DO FIM

O plano de Nadal é retomar seu tratamento no quadril sem pressa. Por isso, não planeja mais jogar torneios nesta temporada, que deve se tornar a mais curta da sua carreira. A ideia do espanhol é se recuperar totalmente ao longo do segundo semestre para estar em condições de iniciar a temporada 2024 em janeiro em situação 100% do ponto de vista físico.

“Tem sido difícil para eu ter continuidade em todos os sentidos, por causa do meu físico. E isso se transfere para o campo pessoal quando não se consegue estar feliz com o dia a dia”, revelou o espanhol. “Preciso colocar um ponto final no que é minha carreira esportiva. Vou regenerar meu corpo e quando me sentir pronto, vou começar de novo.”

Ele não descartou jogar as Finais da Copa Davis neste ano. Mas reiterou que sua meta é voltar apenas na próxima temporada. “Pode ser um objetivo tentar jogar a Copa Davis e me preparar para 2024, que será o último ano da minha carreira esportiva”, comentou, antes de prever como será sua temporada de despedida. “A minha ideia é aproveitar e viajar para todos os torneios onde fui feliz, se tiver possibilidade.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.