Publicidade

Fórmula 1: cinco coisas que aprendemos no GP do Japão

Red Bull deixou para trás o tombo da Austrália e dominou em Suzuka, com nova dobradinha puxada por Max Verstappen

PUBLICIDADE

Por Gabriel Curty/GRANDE PRÊMIO

Max Verstappen venceu com sobras em mais uma dobradinha da Red Bull na Fórmula 1 2024, desta vez no GP do Japão. Neste domingo, dia 7, o holandês não deu chances aos rivais e aproveitou um RB20 que vestiu perfeitamente o traçado de Suzuka, deixando para trás os esforços de Ferrari e McLaren, que tentaram estratégias diferentes.

PUBLICIDADE

Sergio Pérez completou o 1-2 em mais uma demonstração de que os austríacos estão especialmente fortes em 2024 e que o GP da Austrália foi mesmo só um tropeço, um ponto fora da curva. O pódio ainda teve Carlos Sainz, que levou para casa troféus nas três etapas que disputou.

Charles Leclerc teve boa corrida de recuperação e provou a força da Ferrari mesmo em uma pista que não era das melhores para os italianos, pelo contrário. Lando Norris ficou em quinto, com Fernando Alonso segurando um pelotão com George Russell e Oscar Piastri. Lewis Hamilton e o herói local, Yuki Tsunoda, fecharam a zona de pontos.

Red Bull driver Max Verstappen waits for award ceremony on the podium after the Japanese Formula One Grand Prix at the Suzuka Circuit in Suzuka, central Japan, Sunday, April 7, 2024. (AP Photo/Hiro Komae) Foto: AP / AP

Red Bull amassa e confirma favoritismo em bom GP do Japão

O GP do Japão não foi ruim, não. Teve estratégia, disputas, ultrapassagens, mas também domínio da Red Bull. O time austríaco saiu de todas as tretas que poderiam aparecer pelas táticas de McLaren e Ferrari, sobrou simplesmente porque o ritmo era muito superior. O RB20 é fabuloso, mas numa pista que é ideal para ele, é imbatível. Dobradinha poderosa com Verstappen na frente e favoritismo reforçado depois de um GP da Austrália para lá de estranho.

Ferrari se vira com o que tem e reafirma ser muito segunda força

O GP do Japão era absolutamente crucial para a Ferrari. Sabe aquela típica corrida que não é boa para uma segunda força e é ótima para a terceira? Pois é, era esse o cenário que se pintava, com a terceira sendo a McLaren, naturalmente. Só que nem a McLaren foi essa maravilha toda em Suzuka, muito menos os italianos penaram. No fim, Sainz e Leclerc em terceiro e quarto e a sensação de que os vermelhos vão dominar o degrau mais baixo do pódio. E que vão, vez ou outra, desafiar a Red Bull, sim.

McLaren decepciona, especialmente com Piastri

O outro lado da moeda é da McLaren, que precisa refletir. Era pista para pódio, a chance de incomodar a Ferrari, mostrar que tem briga pelo vice na F-1 2024. Até aqui, não tem, não. Norris viveu dia meio apático, mas ainda foi muito melhor que Piastri, que esteve irreconhecível. Quinto e oitavo é muito pouco para quem sonhava alto no Japão.

Russell se afoba, Hamilton se apaga. Mercedes segue ciclo

A Mercedes vive um ciclo vicioso e o GP do Japão foi só mais um capítulo dele. Apesar da classificação ter sido diferente, com Hamilton mais aceso, a corrida voltou ao padrão anterior. O veterano se apagou e até chegou a sugerir ceder a posição para Russell. Isso mesmo, ele próprio teve a iniciativa de abrir caminho para o companheiro. Totalmente fora de órbita. George, enquanto isso, foi superior no ritmo outra vez, teve melhor resultado, sim, mas voltou a mostrar muita afobação nos momentos decisivos. O acidente com Piastri não veio por detalhe. A punição, também.

Publicidade

Alonso e Tsunoda brilham, enquanto Alpine passa vergonha histórica

Alonso teve atuação de gala com uma Aston Martin que ele faz parecer muito melhor do que realmente é. E meio que cobrou reconhecimento na entrevista pós-corrida, viu? Errado, não está. Herói local, Tsunoda levou pontinho para casa na briga da ‘F-1 B’ + Lance Stroll, em grupo que ficou inacreditáveis 45s atrás de Hamilton, o último da ‘F-1 A’. No fim do pelotão, a Alpine, que carroça, que tomou passão até de um Logan Sargeant correndo com chassi todo remendado da Williams. A equipe francesa não é ruim, é péssima.

A Fórmula 1 volta daqui a duas semanas, entre os dias 19 e 21 de abril, para o GP da China, retorno da etapa ao calendário pós-pandemia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.