PUBLICIDADE

Publicidade

Cimed ganha fora de casa e recupera ponta da Superliga

Equipe de Santa Catarina bate o Lupo/Náutico/Let''s por 3 sets a 1; Pinheiros/Sky também ganha

PUBLICIDADE

Por AE
Atualização:

A Cimed mostrou nesta terça-feira porque é a atual bicampeã da Superliga masculina de vôlei. Com a liderança ameaçada pelo Sada Cruzeiro Vôlei, que venceu na abertura da quinta rodada do segundo turno e assumiu a ponta, o time catarinense foi a Araraquara e não decepcionou, vencendo o Lupo/Náutico/Let''s por 3 sets a 1 (25/22, 25/18, 22/25 e 25/18). Com isso, a equipe recuperou o primeiro lugar na tabela.Agora, a Cimed tem 40 pontos. A pontuação é a mesma do Cruzeiro, mas o time de Florianópolis leva vantagem nos critérios de desempate. A terceira colocação está com o Pinheiros/Sky, que também venceu nesta terça-feira. Na capital paulista, a equipe derrotou o lanterna Álvares/Vitória por 3 sets a 0 (25/21, 25/17 e 25/21), chegando a 36 pontos. A vitória com facilidade foi comemorada pelo técnico do Pinheiros. "Nossos objetivos foram alcançados hoje (terça-feira). O primeiro era ganhar o jogo e o segundo era tentar vencer por 3 a 0 e rodar o máximo de atletas possível", afirmou Carlos Castanheira, o Cebola. "É um período de oito jogos em 16 dias, então é complicado. Precisamos do grupo como um todo."Assim como o Pinheiros, o Sesi também venceu e foi a 36 pontos, fazendo com que a terceira colocação fique dividida entre os clubes paulistanos. Também em casa, a equipe passou com tranquilidade pelo Volta Redonda, vencendo por 3 sets a 0 (25/21, 25/18 e 26/24). Já o quinto lugar continua com o Montes Claros/Funadem, que folgou na rodada.A sexta posição da Superliga, entretanto, tem um novo dono. O Fátima/Medquímica/Ucs venceu o Funvic/Uptime Cuiabá por 3 a 0 (25/21, 25/15 e 25/18) e ultrapassou o Vivo/Minas, que perdeu por 3 a 2 (27/25, 26/28, 25/21, 21/25 e 15/13) para o Ulbra/São Caetano, fora de casa. Completando a rodada, o Vôlei Futuro recebeu o Soya/Blumenau/Furb/Barão e triunfou por 3 a 0 (25/22, 25/17 e 25/16).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.