Publicidade

Rexona e Finasa seguem dominando a Superliga feminina

Apesar de contar com três campeãs olímpicas, São Caetano ainda não fez sucesso no torneio nacional

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Duas equipes tem monopolizado a Superliga feminina de vôlei 2008/2009. O reforçado São Caetano/Blausiegel (SP) ainda não fez sucesso e Finasa/Osasco (SP) e Rexona/Ades (RJ) continuam protagonizando os grandes confrontos da competição. O domínio de Finasa e Rexona é antigo. Os dois times decidiram as últimas quatro Superligas, com vantagem para as cariocas nas três anteriores. Nesta temporada, com as repatriadas Mari, Fofão e Sheilla, campeãs olímpicas em Pequim (2008), era esperado que o São Caetano fosse no intruso nesta disputa. Mas, até agora, a equipe não conseguiu um bom rendimento no torneio. No terceiro turno, o time do ABC paulista melhorou, triunfou em cinco das seis partidas (foi superado apenas pelo Finasa) e assumiu a quarta posição na classificação geral. Agora, já pensa no quarto turno e nos playoffs decisivos. "É claro que queríamos disputar a final, mas agora temos que não concentrar para não perder mais, pois qualquer set pode fazer falta lá na frente", afirmou Mari. DECISÃO O terceiro turno da Superliga feminina será decidido no próximo sábado às 21h45 em Osasco, entre Finasa e Rexona. O time do Rio conquistou os dois primeiros turnos do torneio, mas leva desvantagem no confronto direto na Superliga (duas derrotas e uma vitória). Para a líbero Fabi, do Rexona/Ades, o importante agora é faturar mais este título para manter a liderança geral do campeonato. "Vamos em busca desses pontos extras, para tentar seguir na frente", assinalou. Já o técnico do Finasa/Osasco, Luizomar de Moura, acredita que jogar em casa é uma grande vantagem para as suas atletas. "Vamos aproveitar a semana e a vantagem de não precisar viajar para treinar dentro de casa. Embora tenhamos vencido o último desafio diante do adversário, sabemos que precisamos manter a concentração e melhorar em alguns aspectos", destacou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.