PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Conversa de pista

Opinião|A arriscada arte de prever o futuro

Atualização:

 

Permanência de Perez na Red Bull é o assunto do momento (Red Bull)  

Prever o futuro é uma arte misteriosa e arriscada. Ainda assim, empolga tanto quanto disputas que não têm o fim esperado pelo protagonista que assume arriscar. Dito isso, em plena semana do GP de São Paulo o assunto principal da F-1 continua sendo Sérgio Perez (foto de abertura/Red Bull) e seu futuro na equipe Red Bull. O mexicano é o mais recente membro de um clube no qual desde sempre quase todos associados a trabalhar ao lado de Max Verstappen foram trucidados pela frieza de Helmut Marko.

Diante da escassez de resultados que lhe abriram as portas, o piloto mexicano viveu um fim de semana de alegrias que terminou menos de um quilômetros após a largada da etapa que acontecia em sua casa. Para tornar pior o que era ruim, Daniel Ricciardo voltou, finalmente, a marcar pontos pela equipe AlphaTauri e seus fãs já o enxergam retornando à condição de companheiro de equipe de Max Verstappen, holandês que segue vencendo alheio a todos que compartem o mesmo asfalto que ele.

A dinâmica da F-1 demanda que um piloto para ser bem sucedido precisa atrair patrocínios e conseguir bons resultados para sua equipe. Mesmo nos casos em que o protagonista é um herdeiro de respeito, nem sempre o aporte de capital garante a sobrevivência no meio. Ainda é recente a passagem do canadense Nicolas Latifi pela Williams - onde o norte-americano Loris Sargeant revive a experiência - e seu compatriota Lance Stroll. Este último resiste bravamente, mas os rumores que a paciência do seu pai com suas atuações e o desempenho da equipe em viés negativo suscitam comentários de que a Aston Martin estaria à venda.

PUBLICIDADE

Após um início de temporada onde chegou a liderar o Campeonato Mundial de Pilotos, Sérgio Perez caiu de produção e cometeu erros inesperados para um profissional com sua experiência. Como qualquer humano, ele tem o perdão de não ser perfeito, justificativa que não tem vida longa. A amplitude de tal cenário explica muito bem uma declaração de Christian Horner ao site da BBC quando perguntado se isso ameaça a continuidade do mexicano em sua equipe:

"Não se trata de algo assim, tão binário. Você precisa olhar para as circunstâncias e por aí afora."

Publicidade

De uma forma ou de outra, o nome de Sérgio Pérez aparece associado à Aston Martin e à Audi, que ainda vive o processo de consolidação de seu programa de F-1 junto à Sauber.No primeiro caso, o mexicano poderia ser parte da troca da vinda de Fernando Alonso, algo possível caso o time inglês seja vendido. No outro, o executivo principal da Sauber, Alessandro Alunni Bravi, não poupou elogios ao comentar sua visão sobre o piloto:

"Ele é um dos melhores. Ele é uma opção e, se dependesse de mm, eu o teria em nossa equipe amanhã mesmo."

A latinidade da Sauber parece efervescente: além de Pérez, o espanhol Carlos Sainz é outro nome bastante mencionado com relação aos seus futuros pilotos. Não se deve deixar de lado a associação de Carlos Sainz sênior à marca alemã no programa de rally e off road.

Última peça de um quebra-cabeça um tanto complicado é o australiano Daniel Ricciardo. Seu resultado no México acendeu fogos de artifício de várias cores e padrões, algo que encobriu detalhes importantes do que aconteceu na pista. Sem dúvida ele andou bem, mas é vital recordar duas peculiaridades do GP do México: a altitude local e as dificuldades que isso cria para a aerodinâmica e refrigeração dos carros. A temporada 2023 tem mais três etapas: a final em Abu Dhabi (26/11), o retorno de Las Vegas (18/11) e a corrida em Interlagos, domingo. Caso o sempre sorridente australiano repita consistentemente esse padrão de desempenho. Aí sim, ele poderia ter a chance de retornar à condição de companheiro de equipe de Max Verstappen.

O resultado completo do GP do México você encontra aqui.

Publicidade

Siga-nos no Instagram

Opinião por Wagner Gonzalez
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.