PUBLICIDADE

Deputado distorce sentido de resolução do TSE e desinforma sobre regulação de redes sociais

Meta, responsável por Facebook, Instagram e WhatsApp, afirma que não planeja encerrar as atividades no Brasil, ao contrário do que é dito em vídeo; procurado, Gustavo Gayer não se manifestou

PUBLICIDADE

O que estão compartilhando: vídeo em que o deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO) afirma que redes sociais da empresa Meta ameaçam sair do Brasil por causa da resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que regulamenta as eleições municipais de 2024.

PUBLICIDADE

Gayer alega que a resolução do TSE permite que todos os usuários de redes sociais sejam monitorados, inclusive em conversas pessoais trocadas via WhatsApp. Diz, ainda, que todos os conteúdos relacionados à política serão censurados, conforme a vontade do tribunal.

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é falso. A Meta (que controla Facebook, Instagram e WhatsApp) afirmou que não planeja encerrar as atividades no País. Não é possível monitorar conversas de WhatsApp, pois elas são criptografas e só podem ser lidas, vistas ou ouvidas nos celulares de quem as emite ou recebe.

Especialistas consultados pela reportagem desmentiram que a resolução mencione monitoramento ativo de usuários nas redes sociais. Também não é verdade que todo conteúdo político deve ser censurado pelas plataformas.

O documento regulamenta apenas as propagandas eleitorais, e não qualquer assunto, o que Gayer omite no vídeo, dando a entender que a regra se aplica à utilização geral das plataformas.

O deputado não respondeu à tentativa de contato feita pela reportagem.

Parlamentar distorce resolução do TSE e desinforma sobre regulação de redes sociais Foto: Reprodução/X

Saiba mais: postagens nas redes sociais replicam um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer, no qual o parlamentar distorce a Resolução nº 23.732, de 27 de fevereiro de 2024, do TSE, que dispõe sobre propaganda eleitoral. “É muito pior do que nós imaginávamos. Redes sociais e WhatsApp ameaçam sair do Brasil após a resolução do TSE”, afirma a legenda.

Publicidade

A resolução atualizou pontos da Resolução TSE nº 23.610, de 18 de dezembro de 2019, que trata da propaganda eleitoral. De acordo com o TSE, a modificação ocorreu para adequação aos novos recursos de tecnologias que podem ser incorporados em campanhas eleitorais, como a inteligência artificial.

No vídeo, Gayer diz que o documento não muda apenas o sistema eleitoral, como também “destrói a liberdade de expressão nas redes sociais”. Por isso, de acordo com o parlamentar, a Meta estaria considerando encerrar as atividades no Brasil. Ao Estadão Verifica, contudo, o porta-voz do conglomerado desmentiu a alegação.

A resolução determina o monitoramento das redes sociais?

O parlamentar afirma que a resolução determinaria o monitoramento de todos os conteúdos que circulam nas redes sociais. Ele diz, inclusive, que conversas pessoais trocadas via WhatsApp seriam monitoradas. Isso é falso.

O aplicativo tem criptografia de ponta a ponta que protege as conversas pessoais. Desta forma, ninguém pode ler ou ouvir conversas privadas, nem mesmo o WhatsApp. Conforme a empresa, a criptografia e a descriptografia de mensagens enviadas e recebidas no aplicativo ocorrem inteiramente no aparelho celular.

PUBLICIDADE

A advogada Paula Bernardelli, sócia de Neisser e Bernardelli Advocacia e integrante da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), afirma que não há determinação do TSE para que seja monitorado tudo o que é postado, o que nem sequer seria viável. “O que a resolução traz são algumas medidas para combate à desinformação, o uso indevido de inteligência artificial e disseminação de deep fakes”, explicou.

O artigo 9º-E da resolução determina que as plataformas serão responsabilizadas quando não tirarem imediatamente do ar conteúdos e contas em casos de risco durante o período eleitoral. Isso inclui o compartilhamento de discurso de ódio.

Já o artigo 9º-D afirma ser dever das plataformas a adoção de medidas para impedir a circulação de “fatos notoriamente inverídicos ou gravemente descontextualizados” que possam atingir a integridade do processo eleitoral.

Para o advogado Alberto Rollo, especializado em direito eleitoral, existe a determinação para que o provedor aja, mas, se houver algum tipo de dúvida sobre o conteúdo analisado, ele não será retirado até que isso seja determinado pela Justiça Eleitoral.

Em dezembro de 2023, o ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, se reuniu com representantes da Meta para debater o uso de IA durante período eleitoral Foto: Antonio Augusto/Secom/TSE

Todo conteúdo político será censurado?

No vídeo, Gayer alega que todos os conteúdos relacionados à política serão censurados pela plataforma, seguindo as determinações da resolução. Ele diz que toda opinião contra aborto, legalização das drogas e “ideologia de gênero” será classificada como “discurso de ódio”, fato que acarretaria a remoção da postagem ou da própria conta. O parlamentar afirma que o documento também censuraria críticas a políticos, ao TSE e à própria resolução do tribunal.

Rollo explica que a resolução é voltada para a propaganda eleitoral. Dessa forma, não obriga as plataformas a deletarem conteúdos de opinião.

Da mesma forma, Paula afirma que a resolução não prevê a remoção de conteúdos ou de perfis que apenas estejam criticando políticos ou candidatos. Em relação às críticas ao TSE, a especialista explica que a resolução incorporou medidas para coibir a existência de perfis ou conteúdos cujo objetivo é espalhar desinformação sobre o sistema eleitoral. “Existem, sim, artigos específicos falando de uma determinada sanção para perfis de pessoas que disseminem desinformação a respeito do sistema eleitoral e do funcionamento da Justiça Eleitoral, mas não há nenhuma sanção para quem faça críticas legítimas, democráticas e republicanas a qualquer instituição que seja.”

Como lidar com postagens do tipo: A distorção e descontextualização de documentos oficiais é uma tática comum para espalhar desinformação. Nestes casos, é importante buscar o documento original ou notícias que expliquem o que foi determinado por órgãos públicos. É possível encontrar a resolução do TSE em seu no próprio site.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.