PUBLICIDADE

Texto fictício de Arnaldo Jabor circula na internet como se fosse entrevista de Marcola

Boato nas redes sociais distorce a origem de coluna publicada no jornal ‘O Globo’, em 2006, e que simula uma conversa com um traficante do PCC

Foto do author Samuel Lima
Por Samuel Lima

Não é real o texto que circula nas redes sociais como se fosse uma entrevista de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), ao jornal O Globo. O conteúdo, de fato, foi publicado no periódico, mas era uma obra de ficção criada pelo jornalista e cineasta Arnaldo Jabor.

Boato espalha que texto fictício de Arnaldo Jabor seria entrevista de Marcola ao jornal 'O Globo'. Foto: Reprodução / WhatsApp

PUBLICIDADE

O texto traz o título “Estamos todos no inferno” e foi publicado pelo colunista nos jornais O Globo e Estadão, em maio de 2006. Jabor simula uma conversa com um criminoso não identificado, de modo a fazer uma crítica sobre a falta de assistência social e a miséria nas favelas, além da extensão do crime organizado no Brasil e da falta de perspectivas para solucionar o problema.

Começa com o seguinte trecho, dando a entender que seria uma espécie de entrevista:

— Você é do PCC?

— Mais que isso, eu sou um sinal dos novos tempos. Eu era pobre e invisível… Vocês nunca me olharam durante décadas… E antigamente era mole resolver o problema da miséria… O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, raras periferias… A solução é que nunca vinha… Que fizeram? Nada. (...)

Coluna de Arnaldo Jabor “Estamos todos no inferno” publicada em 23/5/2006 no Estadão.

Naquele mês, o PCC havia realizado uma série de ataques contra a polícia de São Paulo. Entre os dias 12 e 20 de maio de 2006, a organização criminosa matou 59 agentes de segurança nas ruas e promoveu 74 rebeliões em presídios no Estado. Os atentatos que paralisaram São Paulo aconteceram em represália ao isolamento, no Dia das Mães, de parte da população carcerária em penitenciária de Presidente Venceslau (SP).

Em comentário na rádio CBN, Arnaldo Jabor realmente associa o seu personagem ao traficante Marcola. O conteúdo não está mais disponível no site da emissora, mas preserva a manchete com o nome do preso (“Marcola, um sinal dos novos tempos”).

Em julho daquele mesmo ano, Jabor relembrou a coluna e deixou claro aos ouvintes que a entrevista nunca ocorreu de fato. “Eu escrevi nos jornais uma coluna em que inventei uma entrevista imaginária com um traficante preso do PCC”, relata ele, segundo transcrição do site e-Farsas. “É legal o texto. E todo mundo gosta, mas não acreditam que fui eu que fiz. Acham que é real a lucidez do bandido.”

Poucos dias após a publicação, o texto passou a circular na internet com a falsa inscrição de que seria uma entrevista “assustadora” de Marcola para o jornal O Globo. Diversos veículos tentaram esclarecer a confusão desde então, incluindo a revista Veja, os blogs de checagem Boatos.org e e-Farsas e o escritor Marcelo Rubens Paiva, em coluna no Estadão. No entanto, a mentira persiste nas redes sociais.

Publicidade

Coluna de Arnaldo Jabor "Estamos todos no inferno" publicada no Estadão em 23/5/2006. Foto: Acervo / Estadão

A mensagem contém alguns sinais de alerta que colocam em dúvida a veracidade do conteúdo. Apesar de recomendar a leitura da suposta entrevista de Marcola, não traz links para o conteúdo original nem prints de páginas do jornal O Globo, por exemplo. Também não indica a data de veiculação e não é encontrada facilmente com uma simples pesquisa no Google.

O Estadão Verifica recebeu o texto como sugestão de checagem de diversos leitores pelo WhatsApp. Encaminhe áudios, textos e imagens duvidosas para o nosso número de WhatsApp: (11) 97683-7490.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.